Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Ataques da Fazenda teriam BC como alvo

Os ataques aos "terroristas fiscais" disparados ontem pelo secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, embora endereçados a "alguns analistas" e à "oposição", miram o Banco Central. A Fazenda não gostou nem um pouco do tom do relatório de inflação, divulgado na sexta-feira passada pelo Banco Central, que chama a atenção para o impacto inflacionário das medidas fiscais (aumento de gastos e desonerações) adotados pelo governo para enfrentar a crise.

AE, Agencia Estado

02 de outubro de 2009 | 08h28

O foco dos ataques é o diretor de Política Econômica, Mário Mesquita, responsável pela explicação do relatório. Para o mercado, Mesquita passou a mensagem de que haverá aumento das taxas de juros ainda no primeiro semestre de 2010, como indicou, por exemplo, o banco JP Morgan.

A reação do BC foi na mesma intensidade, mas em outra direção: uma crítica à postura excessivamente defensiva do Ministério da Fazenda. Por essa leitura, a equipe da Fazenda diz que o melhor seria não divulgar informações sobre o impacto do aumento dos gastos porque o mercado traduz como uma mensagem de descontrole da inflação e consequente aumento das taxas de juros. "O Ministério da Fazenda e o mercado estão errados", disse uma fonte financeira.

Na visão do Banco Central, a Fazenda erra quando fica na defensiva e entra no discurso de negar que a expansão fiscal gera inflação. Seria o mesmo que o BC negar que o movimento de queda da taxa de juros (a Selic foi reduzida em 5 pontos porcentuais desde setembro do ano passado) provoca inflação. "Não se pode negar o óbvio. Não precisa mentir. Não precisa fazer rolo", disse essa fonte. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
FazendaBCataques

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.