Aterro sanitário vai gerar energia para Unibanco

A AES Eletropaulo assinou com a Biogás Energia Ambiental e o Unibanco um termo de compromisso que permitirá o escoamento de cerca de 20 megawatts (MW) de energia elétrica a ser produzida a partir do aproveitamento do gás metano do aterro sanitário Bandeirante, em Perus, na zona Norte de São Paulo. "Trata-se do maior projeto de geração com a utilização do gás metano do mundo", de acordo com Bertram Colombo Shayer, diretor-técnico da Biogás.A usina geradora a metano, que deverá estar operando em sua plenitude em março de 2004, demandou investimentos de R$ 48 milhões do Unibanco, que consumirá a eletricidade produzida pela central, e de R$ 12 milhões da Biogás, empresa encarregada do projeto. A primeira etapa da usina, de 5 MW, deverá estar operando comercialmente até 31 de dezembro, de acordo com Shayer. A AES Eletropaulo investirá outros R$ 2,5 milhões na construção de uma estação de chaveamento, que interligará a usina à rede de distribuição.Segundo Carlos Eduardo Melles, executivo do Unibanco, o banco participará do projeto da central geradora movida a gás metano como autoprodutor. "Toda a energia será destinada a atender as agências e prédios administrativos do banco", disse Melles. Segundo ele, a eletricidade a ser gerada pela central de geração da Biogás proporcionará uma economia de 15% a 20% em relação ao preço pago pelo suprimento convencional. Melles destacou que o projeto oferece ainda uma vantagem, em termos de sustentabilidade. "A planta contribuirá para a redução da emissão de CO2", disse ele.Segundo Max Xavier Lins, diretor de Clientes Corporativos da AES Eletropaulo, a distribuidora se encarregará do transporte da eletricidade gerada pelo empreendimento. Lins lembrou ainda que o projeto permitirá, também, a regularização do suprimento de energia a 2.200 famílias que vivem nas proximidades do aterro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.