Atitudes certas para surfar na profissão

Especialistas de RH defendem que trabalhadores tenham metas claras e apontam medidas a adotar para se dar bem já em 2012

Márcia Rodrigues, O Estado de S.Paulo

25 de dezembro de 2011 | 03h06

O profissional que deseja iniciar 2012 "com o pé direito" deve fazer muito mais do que um pedido ao pular as tradicionais sete ondas na virada do ano. Há uma lista de obstáculos a ser superada para conquistar o seu espaço no mercado. Segundo consultores de recursos humanos, é o momento para incluir nas suas resoluções de fim de ano o planejamento da carreira.

Esses profissionais acreditam que o cenário internacional vá impactar o mercado de trabalho brasileiro. Por isso, os trabalhadores devem ficar antenados sobre os acontecimentos do mercado e o peso que terão na sua área.

A falta de objetivos concretos de onde quer chegar, tanto na vida profissional como afetiva, e o equilíbrio emocional também foram apontados como obstáculos e possíveis "ondas" que o trabalhador deve saltar e evitar cair nelas. A diretora executiva da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Izabel de Almeida, diz que um planejamento é essencial para qualquer aspecto na vida de uma pessoa "Quem não pensa no futuro não chega a lugar nenhum, porque fica correndo em círculo. Também não fica motivado, porque não traça um caminho. Quem almeja um cargo, por exemplo, sabe o que precisa fazer para conquista-lo", afirma.

A presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), Leyla Nascimento, acredita que o novo ano que se inicia exige mais flexibilidade para lidar com mudanças e com o cenário internacional. Para ela, o profissional deve ser extremamente competente, se preocupar em dominar a sua área de atuação e ser cuidadoso com suas atitudes dentro da empresa. "As pessoas são admitidas por seu conhecimento técnico, mas são demitidas por suas ações pessoais", diz Leyla.

O profissional também não pode deixar de estar presente em mídias sociais como Facebook e LinkedIn, mas é bom manter um equilíbrio dos assuntos discutidos no seu perfil, orienta Leyla "Muitas empresas já estão contratando por essas mídias", diz.

A especialista ainda aponta a dificuldade para se comunicar como outra onda a ser pulada.

Para o diretor geral da Business Partners Consulting, Luis Saverio, buscar o equilíbrio entre a vida profissional e afetiva é um bom caminho para o trabalhador que quer "se dar bem" em 2012. "As empresas não querem que o profissional não tenha vida pessoal e não se preocupe com a sua saúde", afirma.

Saverio sinaliza algumas "marolas" que o trabalhador deve "pular" na hora de fazer os pedidos na virada do ano (veja quadro ao lado). Para o especialista, o profissional também não pode ser superficial e acomodado. "É preciso buscar informações mais profundas sobre a sua área de atuação e estar em constante aprendizado", diz o diretor.

Segundo ele, esse pensamento contribui para aguçar várias outras qualidades necessárias para um trabalhador. "O profissional que não investir em relacionamentos físicos e ficar apenas nas redes sociais vai deixar de chutar um pênalti que poderia ser certeiro. Quem usar a crise para reclamar da vida em vez de ver uma oportunidade para crescer também vai se dar mal", comenta Saverio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.