Atividade econômica cresce mais que o esperado no Chile

A atividade econômica no Chile registrou uma aceleração superior à esperada em junho, propiciando um fechamento positivo para o primeiro semestre. O índice Imacec de atividade, que engloba 90% dos itens que compõem o Produto Interno Bruto (PIB), cresceu 3% em junho, na comparação com o mesmo mês de 2002, após uma expansão de 2,5% em maio. O desempenho superou o prognóstico consensual dos sete economistas consultados pela Dow Jones e também dos 33 analistas entrevistados pelo Banco Central do país, que previam crescimento de 2,7% no mês. Em média, a atividade econômica do Chile cresceu 2,9% no segundo trimestre, ante o mesmo período de 2002, abaixo da expansão de 3,5% observada no primeiro trimestre. No entanto, as autoridades do Banco Central e do governo acreditam que essa desaceleração no trimestre será temporária e que a atividade volte a apresentar uma taxa de crescimento superior a 3% nos próximos meses. A atividade econômica foi impulsionada pelo aumento de 10,2% da produção mineradora e de 6% da geração de energia. A produção industrial cresceu 2,2% em junho, inferior à expansão de 4,4% de maio. As exportações caíra 1,2% em junho, ante mesmo mês de 2002, enquanto as importações recuaram 4,1%. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

18 de agosto de 2003 | 12h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.