Alex Silva/Estadão - 04/09/2020
Alex Silva/Estadão - 04/09/2020

Atividade industrial apresentou sinais de perda de dinamismo em abril, diz CNI

Mês teve queda do faturamento real, do emprego, das horas trabalhadas na produção e da massa salarial

Sandra Manfrini, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2022 | 11h05

BRASÍLIA - A atividade industrial apresentou sinais de perda de dinamismo no mês de abril, aponta a pesquisa Indicadores Industriais, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta sexta-feira, 3. Em abril, houve queda do faturamento real, do emprego, das horas trabalhadas na produção e da massa salarial, o que afetou negativamente o desempenho da indústria.

De acordo com a pesquisa, o faturamento real do setor caiu 0,6% em abril na comparação com março, na série livre de efeitos sazonais. Essa queda, destaca a CNI, reverte a alta de 0,7% registrada em março e leva o faturamento ao mesmo patamar em que começou o ano. Se comparado com abril de 2021, a queda real do faturamento é de 5,8%.

Para o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, "a fragilidade atual da indústria é resultado da persistência e do agravamento da escassez e do alto custo dos insumos, aliada a uma demanda também frágil, reduzida pela inflação alta".

"São quedas que revertem pequenos ganhos ocorridos no primeiro trimestre. Em um cenário de inflação persistente e juros altos é difícil prever desempenho muito positivo, sobretudo sustentado, nos próximos meses. A economia brasileira precisa de uma alavanca para atrair investimentos e voltar a crescer, que deveria ser a reforma tributária, mas todos os esforços nesse sentido têm sido frustrados", afirma Azevedo.

As horas trabalhadas na produção registraram queda de 2,2% em abril ante março, na série dessazonalizada. Em relação a abril de 2021, o número de horas trabalhadas apresenta recuo de 0,2%.

O emprego industrial, segundo a pesquisa, consolidou queda em abril, após dar sinais de recuperação. O índice registrou queda de 0,5% no mês, reforçando "os sinais de perda de dinamismo do emprego nos primeiros meses do ano, após série de altas consecutivas ao longo da segunda metade de 2020 e 2021". Em relação a abril do ano passado, há um crescimento no emprego industrial de 1,6%.

Houve queda também na massa salarial real da indústria de transformação, de 0,5% na mesma base de comparação. "Apesar do patamar relativamente elevado no qual se encontra desde o início do ano, a massa salarial dá sinais de perda de dinamismo com o recuo de abril, após cinco meses de crescimento ou estabilidade", diz a CNI. Em relação a abril do ano passado, no entanto, a massa salarial ainda apresenta um pequeno crescimento de 0,2%.

Já o rendimento médio real dos trabalhadores da indústria permaneceu estável em abril em relação a março, com uma ligeira alta de 0,1%. Isso, na avaliação da CNI, mostra a recuperação gradual dos rendimentos, que já acumula seis meses consecutivos de altas ou estabilidade. Apesar disso, na comparação com abril de 2021, o rendimento médio apresenta queda de 1,2%.

O levantamento apontou ainda que a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) recuou 0,1 ponto porcentual entre março e abril, ficando em 80,9%. Segundo a CNI, o nível de UCI dos primeiros quatro meses do ano é muito próximo, o que evidencia um cenário de estabilidade da UCI em 2022 até o momento, após quedas registradas no 2º semestre de 2021.

 

Tudo o que sabemos sobre:
indústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.