Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Atividade industrial cresce no 2o tri e atinge mais setores--CNI

A atividade industrial brasileiraatingiu o maior patamar dos últimos dois anos no segundotrimestre, apoiada principalmente no mercado interno, e atendência é de continuidade do cenário positivo, segundo dadosdivulgados nesta quinta-feira. O índice da Confederação Nacional da Indústria (CNI) subiupara 56,2 pontos no período, uma alta de 5,1 pontos sobre ostrês primeiros meses do ano e de 7,2 pontos ante igualtrimestre do ano passado. A expectativa do setor para os próximos seis meses épositiva, com exceção da avaliação das vendas externas, em meioà queda do dólar. "É cada vez mais clara a percepção de que este otimismo sedeve às expectativas de evolução da demanda do mercadodoméstico, uma vez que o indicador de expectativas deexportação sugere queda nos próximos seis meses", disse a CNIem nota. O levantamento apontou ainda que a aceleração do setor émais disseminada que em outras ocasiões. "Uma tendência importante verificada pela atual sondagem éa disseminação da recuperação da indústria entre os setores deatividade. Diferentemente do ocorrido nos dois últimos anos, ocrescimento da indústria alcança a maior parte dos setores",acrescentou a entidade. Dos 27 setores pesquisados, 21 registraram índices acima de50, o que indica crescimento. No segundo trimestre de 2006, 8segmentos apresentavam leituras acima desta marca. Destacaram-se no segundo trimestre o crescimento dasindústrias de Álcool (71,4 pontos), Refino de petróleo (68,8pontos) e Veículos automotores (64,4 pontos). Por outro lado,cinco setores, entre eles o de Calçados e o de Madeira, tiveramindicadores abaixo da linha de 50. A pesquisa apontou ainda que o emprego industrial cresceuno segundo trimestre, atingindo a maior leitura em dois anos,de 52,6 pontos. O índice de expectativas de contratação tambémaumentou, pelo segundo trimestre seguido. A sondagem foi realizada entre 29 de junho e 18 de julho,com 258 grandes empresas, 507 médias e 949 companhias depequeno porte. (Por Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.