portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Atividade menor na indústria gera queda no consumo de energia

Segundo dados divulgados pela EPE, consumo de energia no País registrou queda de 4,4% no mês de fevereiro

Kelly Lima, da Agência Estado,

20 de março de 2009 | 14h22

O consumo de energia elétrica no País apresentou nova queda no mês de fevereiro, agora de 4,4% sobre o mesmo mês em 2008, informou a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) em seu boletim mensal divulgado nesta sexta-feira, 20. De acordo com a EPE o montante de energia demandado em fevereiro atingiu 30.700 Gwh. A companhia lembra, no entanto, que essa queda deve ser relativizada por conta dos 29 dias de fevereiro de 2008 (efeito base). "Caso fevereiro do ano passado tivesse 28 dias, como em 2009, a queda seria de 1%, informou a EPE. Ainda segundo a EPE, foi o pior resultado para meses de fevereiro desde 2002.

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

O boletim demonstra que a grande responsabilidade pela queda no indicador foi a redução das atividades industriais. O consumo industrial de energia caiu 12,2%, sendo a maior queda registrada na região Sudeste (14,3%). Apesar da queda no setor industrial, o consumo cresceu nas áreas residencial (2,2%) e comercial (4,6%) em fevereiro sobre o mesmo mês no ano passado.

 

No acumulado dos dois primeiros meses do ano, há uma queda no consumo geral de 4,5%, sendo que na área industrial a queda foi de 13,5%. Na área comercial houve um crescimento de 3,5% em 2009 e na área residencial, aumento de 3,8% no consumo. Já no acumulado de 12 meses, o consumo de energia geral cresceu 2,2%, residencial (4,8%), comercial (5,5%) e industrial (-0,4%).

 

A EPE destacou que apesar das reduções em fevereiro, "já se podem perceber indícios de reversão do comportamento do consumo em relação aos últimos três meses, quando a desaceleração da economia refletiu-se muito fortemente no consumo industrial de energia Elétrica".

 

A justificativa para tal comentário, ante tantos número negativos é dada pela EPE com base na expectativa negativa que estava sendo gerada para o mês de fevereiro. "Com efeito, dado o consumo apurado em janeiro e considerada a componente sazonal, era de se esperar que o consumo industrial de energia em fevereiro se situasse em torno de 12.200 GWh, cerca de 3% abaixo do valor apurado, de 12.588 GWh. Sob este critério de cálculo, é a primeira vez, desde novembro - quando a crise começou a impactar o consumo de energia das indústrias - que o valor apurado supera o valor esperado", informou a EPE.

 

Ainda segundo análise da Empresa, o consumo das famílias tenderia a crescer mais fortemente, indicando o efeito naturalmente retardado do aumento da renda e da incorporação de novos equipamentos eletrodomésticos ocorrida ao longo do ano passado nas residências. Em relação a fevereiro de 2008, o consumo médio mensal por consumidor cresceu 1,8%, atingindo 146,4 kWh.

 

Além disso, o número de novas ligações cresceu a um ritmo menor. Até dezembro, a média mensal era de 165 mil novas ligações. Em fevereiro caiu para 135 mil. "Este resultado esteve fortemente influenciado pela apuração na região Sudeste, que responde por mais de 50% do consumo de energia das famílias", informou a EPE.

Tudo o que sabemos sobre:
EnergiaCrise Financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.