Atividade na indústria paulista cai 0,6% em setembro

Depois de uma inesperada alta (0,9%) em agosto, o Indicador do Nível de Atividade (INA) da indústria paulista, calculado pela Fiesp e pelo Ciesp, voltou a cair em setembro. O indicador caiu 0,6% em setembro ante agosto com ajuste sazonal. Na série sem ajuste sazonal, o recuo foi de 2,3%. Na comparação com setembro do ano passado, o INA subiu 4,7% e nos noves primeiros meses do ano, o indicador subiu 3,7% sobre o mesmo período de 2005. No ano passado, o INA cresceu 3,7% sobre o ano de 2004. O nível de utilização da capacidade instalada em setembro caiu para 81,9% em setembro ante 82,3% em agosto. Segundo o diretor do Departamento de Pesquisas Econômicas da Fiesp, Paulo Francini, o dado de agosto mostra a continuidade de uma marcha já prevista para o comportamento da indústria paulista, que é de fechar o ano com a modesto incremento de 3% a 3,2% ante 2005. No ano passado, o crescimento da atividade industrial paulista foi de 3,7% contra 2004. E em 12 meses encerrados em setembro, o indicador registra alta de 2,9%.Francini disse que, mesmo com ajuste sazonal, o que pesou mais para jogar o INA de volta ao patamar negativo foi o número de dias úteis de setembro (20), inferior aos 23 dias de agosto. Ele ressaltou que novembro e dezembro são meses de tradicional queda na produção, por isso o INA deve desacelerar até o fim do ano. Segundo ele, não fosse essa diferença de dias, o indicador provavelmente teria variado 0%.Para o diretor de Economia do Ciesp, Boris Tabacof, a produção industrial vem sendo fortemente abatida pelo ingresso cada vez maior de produtos importados da China e pela sustentação das exportações por preço e não por quantidade vendida ao Exterior. Para ele, o segundo mandato do governo Luiz Inácio Lula da Silva deve discutir prioritariamente como continuar a segurar a inflação e, ao mesmo tempo, elevar o nível de crescimento do País. "A indústria tem esperança de que as autoridades, nesse segundo mandato, olhem para a questão do crescimento", completou Francini.O Levantamento de Conjuntura, que também faz parte do indicador, foi negativo em oito dos nove componentes que formam o INA. As vendas reais, por exemplo, recuaram 1% em setembro.Francini ressaltou, ainda, que os números de setembro de 2006 (+4,7%) estão melhores em relação a setembro de 2005 porque o nono mês do ano passado foi muito ruim para a indústria paulista. Na mesma base de comparação, as vendas reais subiram 9%.O destaque negativo do indicador em setembro foi o componente indústria automobilística, cujo INA caiu 4,9% ante agosto (com ajuste) e 9% (sem ajuste), possivelmente por conta de greve na Volks. As vendas no varejo têm crescido, segundo a entidade, com o volume de veículos importados em franca expansão.Fiesp e Ciesp revisaram para cima o INA de agosto sobre julho, de 0,6% para 0,9% na série com ajuste e de 5,2% para 5,9% sem ajuste.Em 2006, o INA ficou negativo quatro meses na base com ajuste: janeiro (-1,9%); abril (-2,4%) junho (-0,8%) e setembro (-0,6%).Matéria alterada às 15h47 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.