Ativos alternativos diversificam portfólio

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Conteúdo Patrocinado

Ativos alternativos diversificam portfólio

Criptomoedas, e tokens de precatórios e de consórcios entram no horizonte do investidor que busca retorno em cenário de juro básico em queda

Mercado Bitcoin, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

18 de junho de 2020 | 12h10

A ideia de que haverá um “novo normal” na sociedade, passada a fase aguda da pandemia da covid-19, já é uma realidade no mundo dos investimentos. A permanência da Selic, hoje em 2,25% ao ano, no menor nível da história, por um bom tempo é dada como certa e reforçará a migração de recursos de investimentos tradicionais, como caderneta de poupança e CDB, para ativos de maior risco e retorno, como bolsa de valores e fundos multimercados.

Nesse novo ambiente, os chamados investimentos alternativos ganham espaço em um portfólio que precisa ser cada vez mais diversificado. “A educação financeira é essencial nesse processo”, afirma Reinaldo Rabelo, CEO do Mercado Bitcoin (MB), plataforma de negociação de criptomoedas e que vem agregando produtos alternativos, como tokens de precatórios e de cotas de consórcio. Desde sua criação, o MB já movimentou mais de R$ 12 bilhões.

O MB utilizou de sua experiência com criptomoedas para “tokenizar” os precatórios, que são dívidas judiciais do Estado, e as chamadas cotas excluídas de consórcio, que são aquelas originadas de cotistas que precisaram interromper a participação no grupo. “Vimos a possibilidade de construir contratos representados por token, assim como um criptoativo pode representar uma tecnologia (Bitcoin) ou uma moeda (US$)”,

explica Rabelo, acrescentando que é uma forma de democratizar o acesso a este tipo de investimento, hoje disponível para bancos e grandes investidores. “A tokenização permite fracionar um precatório de R$ 5 milhões em milhares de contratos de R$ 100.”

ALTERNATIVAS E DEMOCRATIZAÇÃO

Para a negociação dos tokens, foi criada uma unidade de negócios, a MB Digital Assets, que originou até aqui quatro tokens de precatório e um de cotas excluídas de consórcio, que seguem o mesmo princípio. Em agosto de 2019, o MB vendeu, pela primeira vez, frações de precatórios

do Estado de São Paulo ao valor mínimo de R$ 100. O primeiro lote, de R$ 1,6 milhão, com vencimento em 2021, acabou em menos de 24 horas. O segundo, de R$ 5 milhões, esgotou em menos de três dias. O retorno médio do contrato de precatório vai de 15% a 22% ao ano.

O outro token da MB, de cotas de consórcio, chegou ao mercado neste ano e, dependendo do prazo de vencimento, tem retorno entre 8% e 9% ao ano. O produto está em linha com o objetivo da empresa de oferecer alternativas para diversificar a carteira de investimento, com um ativo de bom retorno, comparado à renda fixa tradicional; baixa volatilidade – diferente do que ocorre no mercado de rendavariável, como ações; e prazo curtode recebimento, seis meses. Sobre liquidez dos tokens, uma preocupação dos investidores, Rabelo explica que o lançamento do mercado secundário resolveu a questão e garantiu ao investidor a liberdade de encerrar a sua posição sempre que desejar. Sobre a segurança do investimento, o diretor do MB, Fabricio Tota, explica que os tokens têm lastro com o ativo real.

STABLECOIN, UMA CRIPTOMOEDA COM LASTRO

O USDC é uma stablecoin, ou seja, um tipo de criptomoeda com lastro real. Para cada USDC há um dólar depositado em um banco nos Estados Unidos. Entre as facilidades de usar esse ativo estão não precisar ir a uma casa de câmbio para comprar dólar, não pagar uma série de taxas nem se expor a um fundo, com contratos de câmbio.

Mesmo sobre as criptomoedas, que têm no Bitcoin seu principal representante, os investidores ainda têm muitas dúvidas relativas a segurança e à liquidez desses ativos. Reinaldo, entretanto, reforça que, embora não seja regulado pela CVM ou pelo Banco Central, o setor – e especialmente o MB – adota políticas rígidas de compliance e aplica mecanismos de combate à lavagem de dinheiro em todas as transações que realiza.  A empresa oferece, além do Bitcoin, outras criptomoedas, como Bitcoin Cash, Ethereum, Litecoin, XRP (Ripple) e a novidade, o USDC, incluída em maio na plataforma.

FUNCIONALIDADES REUNIDAS

Para facilitar a vida do investidor, o MB criou também o Meubank, que reúne todas as funcionalidades disponíveis para o cliente. Ele pode comprar tokens alternativos e criptomoedas, ver seu saldo consolidado em reais e mesmo pagar contas no app e fazer transferências usando suas criptomoedas e investimentos.

Saiba mais em: Mercado Bitcoin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.