Ativos da Petrobras na Argentina têm proteção contratual

A Petrobras divulgou nota oficial informando que o pacote argentino não afetará seus ativos naquele país, recém-incorporados à estatal após a formalização do acordo de troca de ativos com a empresa Repsol-YPF, em 17 de dezembro. De acordo com a nota, os contratos assinados entre as duas companhias incluem cláusulas de proteção mútua, com mecanismos de compensação e ressarcimento, já considerando, quando da assinatura, a possibilidade de desvalorização cambial como ocorreu neste início de ano. A Petrobras avalia que o acordo, por isso, é vantajoso para ambas as partes. Os ativos envolvidos na troca foram avaliados com base em sua capacidade de gerar resultados agora e no futuro, com a utilização de mecanismos de acompanhamento e de compensações, e levando-se em conta diferentes cenários possíveis no ambiente econômico. Na nota, o diretor da área Internacional da Petrobras, Jorge Camargo, destaca que as negociações com a empresa argentina demandaram dois anos e permitiram às duas companhias atendimento a todos os requisitos de segurança necessários à sua formalização, apoiados em suas estratégias de expansão e internacionalização mesmo em eventuais situações de crise financeira como a que atravessa a Argentina. A empresa Eg3, agora controlada pela Petrobras na Argentina, se mantém economicamente saudável e vem operando sem problemas com um portfólio de clientes diversificado e com excelentes perspectivas de ampliação da sua presença no mercado argentino.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.