Atraso na CPMF seria um desastre, diz Receita

O secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, afirmou hoje que um atraso na votação da CPMF seria um "desastre para o País". "A partir do dia 16 de março, o País deixa de arrecadar R$ 400 milhões semanais com a CPMF se não houver a votação, mas não há nada que eu possa fazer. Provavelmente a votação sai amanhã ou depois", disse.Durante uma palestra para empresários de Ribeirão Preto, no interior paulista, Maciel defendeu veementemente a manutenção da CPMF. "Acredito que a CPMF é indispensável não só para a arrecadação no País, como para a fiscalização desta arrecadação. É o mais efetivo instrumento do fisco brasileiro e que tem que ser mantido", disse.Ainda durante a palestra, o secretário desdenhou de questionamentos sobre o caráter provisório da medida. "O Imposto de renda foi criado na Inglaterra no final do século 19, também em caráter provisório, mas se mostrou tão eficaz que ninguém pensa em suspendê-lo dois séculos depois de sua criação", afirmou.

Agencia Estado,

11 de março de 2002 | 15h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.