Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Atrasos de repasses para o MCMV deixam obras intermináveis e sob risco de invasão, diz empresário

Segundo construtoras, os repasses em atraso chegam a R$ 500 milhões, atingem 512 empresas e 200 mil funcionários, responsáveis pelo andamento de 900 empreendimentos

Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2019 | 11h48

BRASÍLIA - Os atrasos de R$ 500 milhões do governo federal às construtoras do Minha Casa Minha Vida (MCMV) inviabilizam as obras e favorecem a invasão dos empreendimentos, diz José Leandro Bretanha, dono da Construtora Hudson. "A obra está quase se tornando inviável e interminável porque o governo não paga", afirma. "O principal risco é de invasão."

Bretanha é responsável pela construção pela construção de 480 moradias em Itaquera, zona leste de São Paulo. A obra tem 100 trabalhadores. Hoje é dia do pagamento, mas o empresário afirma que não tem como pagar até o dia 10 (sábado). Só para esta obra, o atraso chega a R$ 800 mil, segundo Bretanha.

 

Nesta terça-feira, 7, o Estado revelou que o governo está com atrasos de dois meses no pagamento das obras do Minha Casa Minha Vida. De acordo com as construtoras, os desembolsos atrasados chegam a R$ 500 milhões. 

Segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), o atraso atinge 512 empresas e 200 mil funcionários, responsáveis pelas obras em andamento de 900 empreendimentos do programa de habitação popular. 

Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) afirmou que,  "ciente do ritmo de execução do programa e do cenário macroeconômico do país", pediu ao Ministério da Economia e à Casa Civil que ampliem o limite financeiro para garantir os pagamentos do MCMV no segundo semestre. A solicitação foi feita em abril e reforçada em junho, segundo o ministério.

 

Para o mês de agosto, o MDR tem R$ 239 milhões, dos quais R$ 160 milhões vão para o Minha Casa. O valor é insuficiente para bancar as despesas com o programa, que giram em torno de R$ 300 a R$ 350 milhões por mês. 

Nesta terça, o governo mandou ao Congresso um projeto com pedido de crédito extra de R$ 3 bilhões. Segundo fontes do Palácio do Planalto, parte desses recursos deve ser direcionada ao programa de habitação popular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.