'Atropelaram os minoritários'

ENTREVISTA

Leandro Modé, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2010 | 00h00

Mark Mobius, presidente da Templeton Asset Management

O germano-americano Mark Mobius, de 74 anos, é um dos nomes mais conhecidos e respeitados do mercado financeiro global. Presidente da Templeton Asset Management, comanda um time que administra US$ 34 bilhões investidos em ações ao redor do mundo. Desde sexta-feira, ele tem criticado duramente a capitalização da Petrobrás. Ontem, ele conversou com o Estado por e-mail.

A capitalização da Petrobrás foi ou não um sucesso?

Não podemos dizer que foi um grande sucesso, levando-se em conta que, segundo os dados que temos, a participação de fundos hedge (os mais arriscados do mercado) foi pequena. Acredito que foram obtidos apenas US$ 25 bilhões em caixa.

O sr. classificou a operação como "abominável". Por quê?

Porque o governo brasileiro e a Petrobrás atropelaram os direitos dos acionistas minoritários. Os minoritários deveriam ter podido votar na emissão de ações. Também deveriam ter opinado na questão do preço do barril do pré-sal que foi dado pelo governo na cessão onerosa (definido a partir da avaliação de empresas contratadas pela Agência Nacional do Petróleo e pela própria Petrobrás). Além disso, não acho que os acionistas estão bem informados sobre os riscos do pré-sal e as dificuldades envolvidas na extração de petróleo no mar. Se olharmos a experiência de extração no Mar Cáspio, veremos que as estimativas iniciais eram bem inferiores ao que está sendo gasto hoje. Alguns números indicam custo até 10 vezes maior do que o projeto inicial.

O que o sr. projeta para as ações da Petrobrás no médio e longo prazos?

É impossível prever o que ocorrerá com as ações da Petrobrás e mesmo para outras companhias em um ambiente global dominado pelo excesso de liquidez, um mercado de derivativos enorme e, no caso da estatal, pela atuação de instituições ligadas ao governo brasileiro (como Caixa Econômica Federal e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.