Audi define se voltará a fabricar no País em 2013

Montadora alemã já montou o modelo A3 na fábrica da Volkswagen no Paraná, entre 2000 e 2006

O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2012 | 02h04

A fabricante de carros de luxo alemã Audi deve definir no próximo ano se voltará a produzir no Brasil. A decisão, caso seja positiva, será impacto do novo regime automotivo Inovar-Auto, que estabeleceu cotas de importação sem elevação de impostos para montadoras que não tenham fábricas no país.

"Estamos na fase inicial do projeto, ainda sem nada definido", disse o presidente da filial brasileira da Audi, Leandro Radomile. Entre 2000 e 2006, a Audi chegou a produzir o modelo hatch A3 na fábrica da Volkswagen, sua controladora, em São José dos Pinhais (PR).

Se optar pela volta da produção local, isso pode liberar a empresa da cota máxima de importação de 4,8 mil veículos por ano sem incidência de 30 pontos porcentuais de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

A Audi planeja vender cerca de 5,7 mil carros no Brasil em 2012. De janeiro a novembro, o volume licenciado foi de 4.317 unidades, 6% a menos do que no mesmo período de 2011. Para 2013, a expectativa é de 7,5 mil.

Segundo Radomile, uma das possibilidades para a produção no Brasil seria usar instalações da fábrica paranaense da Volkswagen. "É mais fácil adaptar uma planta do que construir uma nova", disse o executivo.

Com a expansão do mercado brasileiro, que deve bater o sexto recorde consecutivo de vendas em 2012, o segmento de veículos de luxo tem avançado no País. No fim de outubro, a BMW foi a primeira marca de luxo a anunciar planos de uma fábrica no Brasil, com investimento inicial de 200 milhões.

A Land Rover também já divulgou que avalia a construção de uma fábrica no Brasil. Segundo a Volvo, o mercado de automóveis de luxo no Brasil deve passar de 50 mil unidades, em 2012, para algo entre 120 mil e 130 mil veículos, em 2016. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.