Audi se une ao Baidu por carros conectados na China

A fabricante de automóveis alemã Audi vai fortalecer serviços de carros conectados na China para atender a uma demanda crescente por sistemas de assistência de direção e tecnologia autônoma no maior mercado automotivo do mundo.

REUTERS, NECKARSULM, ALEMANHA, O Estado de S.Paulo

24 Maio 2015 | 03h45

A principal marca de luxo da Volkswagen informou que vai desenvolver, em conjunto com a provedora chinesa de serviços de internet Baidu, dados de mapa de navegação, algoritmos de posicionamento e funções de pontos de interesse.

Empresas chinesas de internet e fabricantes de automóveis têm sido rápidas em se aliar para desenvolver veículos parcialmente autônomos e conectados à web, caminho percorrido pelas gigantes americanas de tecnologia Apple e Google.

"Agora estamos dando nosso próximo grande passo na China", disse o presidente executivo da Audi, Rupert Stadler, na reunião anual de acionistas da montadora realizada em Neckarsulm, Alemanha. "Os mundos real e virtual estão se fundindo."

O aumento do uso de equipamentos eletrônicos e softwares nos automóveis, assim como a capacidade dos carros para se conectar a smartphones e outros dispositivos, vem abrindo novas possibilidades de negócios para fornecedores da indústria automobilística e para empresas de tecnologia.

Audi e Baidu haviam assinado um memorando de entendimentos em janeiro e vão agora fechar um contrato selando sua parceria na feira International Consumer Electronics Show (CES), que começa nessa segunda-feira em Xangai, na China.

Quarta geração. A fabricante de automóveis sediada em Ingolstadt, na Alemanha, informou também que vai desenvolver, em parceria com a chinesa Huawei, um módulo LTE (tecnologia de telefonia móvel 4G), com transmissão ultrarrápida de dados, para uso em seus carros na China, Japão e Coreia do Sul.

As fabricantes de carros de luxo alemãs Mercedes, Audi e BMW se uniram ao fundo General Atlantic para aumentar seu poder de fogo na área tecnológica. Segundo fontes, elas estão na disputa pela Here, a unidade de mapas da Nokia.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.