Regis Duvignau/Reuters
Regis Duvignau/Reuters

Auditoria da Renault ainda não encontrou irregularidades em pagamentos a Ghosn

Crise entre executivos abala a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi; presidente da Nissan pediu mudanças para diminuir o controle dos franceses

Reuters

13 Dezembro 2018 | 18h51

A Renault informou nesta quinta-feira, 13, que uma auditoria lançada após a prisão do presidente do conselho e presidente-executivo, Carlos Ghosn, no Japão até o momento não encontrou irregularidades com sua remuneração na montadora francesa.

O comunicado da Renault, divulgado depois de uma reunião de diretoria de cinco horas, pouco ajudou para resolver o impasse com a parceira japonesa Nissan, que acusou Ghosn de má conduta financeira ao descartá-lo como presidente do conselho no mês passado.

O conselho da Renault também pediu que os advogados da empresa continuem examinando um dossiê de denúncias entregues pela Nissan esta semana, afirmou a empresa em comunicado.

Mas a “conclusão preliminar” de sua própria investigação interna foi que a remuneração de Ghosn na Renault estava “em conformidade com a lei aplicável” e com diretrizes de governança, disse a montadora francesa. A empresa não fez comentários sobre as alegações da Nissan.

A crise na diretoria abalou a aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, com o presidente-executivo da Nissan, Hiroto Saikawa, pedindo mudanças para diminuir o controle dos franceses.

Ghosn foi acusado na segunda-feira no Japão de apresentar declarações incompletas de renda durante cinco anos, até março de 2015. Enquanto a Nissan demitiu o executivo dias após sua prisão em 19 de novembro, a Renault resistiu à pressão para substituí-lo permanentemente.

A Renault detém 43,4% da Nissan, cuja participação recíproca de 15% em sua controladora francesa não tem direito a voto. A Nissan, por sua vez, controla a Mitsubishi através de uma participação de 34%.

A Nissan informou que sua investigação interna também revelou o uso pessoal de fundos da empresa e outras condutas impróprias de Ghosn, assunto do relatório de 400 páginas compartilhado com advogados da Renault nesta semana.

Ghosn e um possível cúmplice, o diretor da Nissan, Greg Kelly, permanecem sob custódia e tiveram poucas oportunidades de responder às alegações ou se defender, particularmente em público.

Mais conteúdo sobre:
RenaultCarlos Ghosn

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.