Ana Nascimento/Caixa
Ana Nascimento/Caixa

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Auditoria externa encontra evidências de disputa política por cargos na Caixa

Documento produzido pelo escritório Pinheiro Neto alerta sobre como a relação próxima entre membros da alta administração da Caixa e grupos políticos que lhes dão 'sustentação' representam grave risco à instituição financeira

Idiana Tomazelli e Fabio Serapião, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2018 | 20h58

BRASÍLIA - Uma investigação independente contratada pela Caixa encontrou evidências que confirmam a "existência de disputa política por cargos" no banco público. O documento, produzido pelo escritório de advocacia Pinheiro Neto, alerta que a relação próxima entre os membros da alta administração da Caixa e os grupos políticos que lhes dão "sustentação" representam grave risco à instituição financeira.

Das 12 vice-presidências da Caixa, 11 são ocupadas por indicados de sete partidos. O único membro técnico ocupa a vice-presidência de Administração e Gestão de Ativos de Terceiros, cargo que exige qualificação técnica e certificações específicas para o exercício da função. A auditoria externa diz que a disputa por cargos se alastrava para outras áreas do banco, como diretorias e superintendências.

++Após recomendação do BC e do MPF, Temer afasta 4 vice-presidentes da Caixa

Segundo a investigação, a divisão política ocorre tanto no caso de indicação de profissionais externos, como era o caso de Fábio Cleto (ex-vice-presidente investigado por recebimento de propina), de políticos, como o atual ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e do ex-ministro Geddel Vieira Lima (hoje preso), ou de funcionários de carreira do banco, como a vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias, Deusdina dos Reis Pereira – que está entre os quatro afastados nesta terça-feira, 16.

Em um dos indícios dessa disputa política, a investigação cita que Deusdina informou ter sua indicação defendida pelo PR e "mostrou descontentamento com potenciais ameaças à sua permanência". O presidente do banco, Gilberto Occhi, ligado ao PP, teria pedido a sua vaga para preencher com outro indicado político.

++Procuradoria pede 386 anos de cadeia para Eduardo Cunha

Já o vice-presidente Corporativo, Antônio Carlos Ferreira, relatou à investigação que parlamentares do PRB (partido responsável por sua indicação) fazem diversos pedidos, inclusive de patrocínios, principalmente depois que o ex-ministro da Indústria Marcos Pereira e o deputado Celso Russomano (SP) teriam condicionado sua permanência ao atendimento dessas demandas.

As investigações também detectaram a influência do ex-deputado Eduardo Cunha, hoje preso, nas atividades da Caixa.

Para tentar barrar a influência política, a investigação faz uma série de recomendações para a adoção de mecanismos de controle, que vão desde a indicação técnica dos vice-presidentes e diretores executivos até o registro mais fiel de visitas de parlamentares a integrantes da cúpula.

Segundo os investigadores contratados pela Caixa, os parlamentares que visitaram os membros da alta administração da Caixa "normalmente entravam pela garagem, sem controle de acesso". "Recomenda-se que o controle de registro de acesso às dependências da CEF seja registrado, ainda que o visitante entre na CEF pela garagem", diz o documento.

++Se não for em fevereiro, não vota mais, diz Maia sobre reforma da Previdência

Outra recomendação é que um funcionário da assessoria parlamentar acompanhe "sempre" as reuniões entre dirigentes da Caixa e parlamentares, ou um técnico quando o encontro for com representantes de empresas, com o objetivo de coibir pressões externas. Segundo a apuração, a influência política propiciou o fornecimento de informações confidenciais a agentes políticos e empresários e a "criação de dificuldades ou agilização artificial" no trâmite de processos de análise de crédito na instituição financeira.

A investigação também menciona a necessidade de proibir o uso de e-mail pessoal para tratar de assuntos internos da Caixa, não só para evitar práticas ilegais, mas também para preservar a segurança das informações.

A Caixa diz que "não concorda com as interpretações que vêm sendo dadas às conclusões do relatório do Escritório Pinheiro Neto, elaborado a pedido da própria Caixa. Tais interpretações vêm gerando percepções equivocadas em relação ao banco e alguns dirigentes".

++VEJA TAMBÉM Governo confirma 35 casos de febre amarela desde julho

O ministro Moreira Franco e o ex-ministro Marcos Pereira negaram que tenham influência na Caixa. As defesas do ex-deputado Cunha e do ex-ministro Geddel não responderam aos pedidos de posicionamento da reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.