bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Imagem Ana Carla Abrão
Colunista
Ana Carla Abrão
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Augusto

Precisamos de quem cuide da nossa democracia, dos nossos valores e da nossa cultura

Ana Carla Abrão, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2018 | 04h00

O mês de agosto chegou. E com ele, abre-se formalmente o período eleitoral. Encerram-se os prazos para a inscrição dos candidatos a presidente e para a formação das chapas. As sabatinas já começaram na tentativa de atrair um eleitorado indeciso e desalentado. Uma crise econômica sem precedentes, escândalos de corrupção em série e a desilusão com uma classe política desconectada da gravidade do contexto se combinam para gerar alguma descrença e um total desinteresse que por vezes descamba para o radicalismo. 

São 13,2 milhões de brasileiros desempregados, o país cresce pouco, após uma retração de mais de 10% no PIB per capita. Os investimentos mal cobrem a depreciação da já precária infraestrutura atual e União, Estados e municípios estão quebrados. Políticas públicas beneficiam grupos ou setores particulares; leis protegem interesses específicos ao invés de proteger o interesse público. Educação em frangalhos; saúde beirando o caos; segurança pública falida, abrindo espaço crescente para facções criminosas que a cada dia ganham mais espaço sobre o território nacional – e sobre as representações civis e públicas. Estados e municípios sem condições de prover serviços básicos – em particular para a população de baixa renda e uma rede de proteção social que transfere renda dos mais pobres para os mais ricos, como é o caso da Previdência.

O Brasil tem hoje um endividamento que atingiu 77% do PIB, gasta 39% do PIB para custear uma máquina pública inchada, ineficaz e que aloca recursos de forma ineficiente. Temos serviços públicos que são avaliados como os piores do mundo, um sistema tributário caótico, que dá força a uma guerra fiscal em que, após ganhos específicos e localizados, todos perdem. O mercado de crédito sofre com intervenções atabalhoadas de anos recentes e uma economia fechada ao comércio internacional marca o atraso de anos, senão décadas. Para completar, o sistema político, fragmentado e fisiológico, nos prende ao passado e impede a renovação.

Os problemas são amplos e complexos e não será com bravatas que serão resolvidos. A boa notícia é que há boas propostas amplamente discutidas e, quem diria, as soluções hoje gozam de uma certa convergência. As reformas da Previdência, do Estado, a tributária e a política são imprescindíveis e podem colocar o País em outro patamar, inaugurando um ciclo robusto de recuperação e crescimento. Uma agenda de reforma microeconômicas, igualmente bem mapeada e que já vem sendo colocada em prática pelas atuais equipes do Ministério da Fazenda e do Banco Central só precisam ser continuadas – e intensificadas, apoiadas por um Congresso mais comprometido. 

O que nos falta agora é a consciência para eleger um presidente à altura dos nossos problemas e capaz de entender e colocar em prática as soluções. Um presidente que também seja capaz de enxergar o tamanho das nossas oportunidades. Não podemos errar. Já erramos muito nos últimos anos, o País não tem mais margem para isso. 

Augusto, o imperador romano, deu origem ao nome do mês de agosto. Foi ele também quem criou o primeiro sistema de previdência que se tem registro na história – e isso nada significa nos dias de hoje, frustrando os que buscam nas coincidências algum sinal dos astros. Mas augusto, como adjetivo, também é aquele que merece respeito e reverência. 

Precisamos, no meio do caos, da polarização, do ódio e do deboche, de quem consiga entender e enfrentar os problemas reais que se impõem hoje. Problemas que são econômicos, sociais, morais e éticos. Precisamos de quem cuide da nossa jovem democracia, dos nossos valores e da nossa cultura. Precisamos de quem vá adiante e não de quem nos leve de volta ao passado.

A consciência do voto é individual e única. Mas temos que entender que a escolha tem que ser feita por cada um de nós – e não permitir que a omissão dê espaço para que os outros escolham por nós. Esta talvez seja a nossa mais importante eleição. Nesse mês de agosto de 2018 temos que nos engajar e nos informar, para que sejamos capazes de eleger, daqui a exatos 60 dias, um presidente que seja, acima de tudo, um legítimo e augusto estadista.

ECONOMISTA E SÓCIA DA CONSULTORIA OLIVER WYMAN. O ARTIGO REFLETE EXCLUSIVAMENTE A OPINIÃO DA COLUNISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.