Aumenta interesse dos brasileiros em vender para a China

O crescimento espetacular da economia chinesa provocou um aumento ? também espetacular ? do número de pequenas e médias empresas brasileiras interessadas em exportar para o país. Entre março e novembro deste ano, a quantidade de empresas associadas à Câmara Brasil China de Desenvolvimento Econômico (CBCDE) saltou de 20 para mais de 130, de acordo com o presidente da entidade, Paul Liu.Só este ano, a entidade já promoveu oito seminários sobre as oportunidades de investimento na China. "A China está crescendo por causa da sua abertura econômica e do número de empresas que estão se instalando no país", disse Liu durante um seminário realizado hoje em São Paulo. A China deve crescer este ano 9% e já se transformou no terceiro maior importador do planeta, apenas atrás dos Estados Unidos e da Alemanha.Nos dez primeiros meses do ano, as importações cresceram 40,4%, para US$ 333,73 bilhões. "A câmara espera que, em 2004, o Brasil aproveite mais ainda o espetáculo do crescimento chinês e que os números do intercâmbio comercial entre os dois países passem da casa dos dois dígitos", disse Liu. De janeiro a outubro deste ano, o Brasil exportou para a China US$ 3,4 bilhões, cerca de 90% a mais do que vendeu no mesmo período do ano passado, quando a cifra chegou a US$ 1,8 bilhão. Liu lembrou que, nos próximos 17 anos, a China planeja transferir 500 milhões de pessoas, três vezes a população do Brasil, do campo para os centro urbanos. Esse projeto exigirá, por exemplo, casas, sistemas de água, esgoto e aquecimento, energia elétrica, transporte público, telecomunicações e uma outra infinidade de serviços, além máquinas e equipamentos. A China tem hoje 1,3 bilhão de habitantes, dos quais 400 milhões são consumidores potenciais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.