Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Aumenta uso de cartão de crédito no comércio

Os números revelam que o cartão de crédito é um instrumento de compra cada vez mais popular no Brasil. A pesquisa, divulgada no mês passado, refere-se aos quatro meses anteriores: dezembro de 2000, janeiro, fevereiro e março de 2001. Durante este período, 27,7% das compras foram pagas com o cartão, enquanto em pesquisa do mesmo período no ano passado, este índice foi de 14,6%. Estes dados foram divulgados com base em uma pesquisa da Federação de Comércio de São Paulo (FCESP). A pesquisa também mostra que o uso do cheque pré-datado caiu de 35,4% para 26,5%, levando em conta o mesmo quadrimestre de 2000 e deste ano.Mesmo com o crescimento do uso do cartão de crédito, compras com pagamento à vista - isto é, cheque ou dinheiro - ainda são o meio mais utilizado no mercado, embora tenham registrado uma pequena queda em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo a pesquisa, 41,7% das vendas do comércio paulista utilizaram este tipo de pagamento contra 42,2%, registrados durante os meses de dezembro de 2000, janeiro, fevereiro e março de 2001, comparados ao mesmo período do ano anterior. Já os financiamentos recuaram de 5% para 3,1%.Segundo o presidente da Associação dos Direitos Financeiros do Consumidor (Pró-Consumer), João Scalzilli, o uso do cartão de crédito evoluiu mais do que o esperado. "O cartão foi criado em 1950, nos Estados Unidos. De lá para cá, cresceu de forma espetacular. Hoje, no Brasil, são 30 milhões de cartões. E a tendência é aumentar ainda mais com o surgimento do comércio eletrônico." Para ele, se no Brasil prevalecer a tendência norte-americana, o cartão será o principal instrumento de crédito e pagamento.Por causa deste aumento no uso do cartão de crédito, é necessário lembrar os usuários das vantagens e desvantagens na sua utilização. Confira na matéria do link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.