Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Aumento da conta de luz vai superar a inflação

Os próximos reajustes das tarifas de energia, que serão anunciados dia 8, ficarão acima da correção do IGP-M, que nos últimos 12 meses chegou a 5,08%. Além dos itens considerados todos os anos, os consumidores começarão a pagar em 2004 metade dos custos com a variação cambial (CVA) de 2002 que não foram repassados para as tarifas no ano passado, informou hoje o superintendente de regulação econômica da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), César Gonçalves. Como os porcentuais de reajuste estavam elevados, o governo decidiu, em abril de 2003, adiar por 24 meses o repasse da variação cambial para as tarifas. De acordo com uma portaria dos ministérios de Minas e Energia e da Fazenda publicada no ano passado, 50% da CVA serão repassados nos reajustes desse ano e os outros 50% nos reajustes de 2005, com valores corrigidos pela taxa Selic.As primeiras a sentir os efeitos do repasse são a CPFL, de São Paulo, a Cemig, de Minas Gerais, a Enersul, de Mato Grosso do Sul, e a Cemat, de Mato Grosso, que terão as tarifas reajustadas na próxima quinta-feira. A situação da Enersul é mais complexa porque o reajuste de 42,26% foi escalonado. No ano passado foram aplicados 32,59% e o restante foi escalonado em quatro anos. Portanto, neste ano, além do reajuste normal das tarifas, os consumidores da Enersul terão que pagar também o repasse da variação cambial de 2002 e uma parte da diferença entre o porcentual de aumento que a empresa teria direito e o que foi efetivamente dado em 2003.

Agencia Estado,

05 de abril de 2004 | 20h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.