Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Alta do desemprego leva jovens, idosos e donas de casa a voltar ao mercado de trabalho

Em um ano, País perdeu 1,2 milhão de vagas formais no setor privado, segundo o IBGE

Daniela Amorim, O Estado de S. Paulo

24 de novembro de 2015 | 12h05

RIO - A perda da estabilidade no emprego, causada pela redução no número de vagas com carteira assinada, está por trás do aumento na taxa de desemprego, segundo Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Azeredo explicou que, diante de um aumento da informalidade, outros membros da família estão começando a buscar um trabalho para ajudar a compor a renda do domicílio.

"A desocupação continua aumentando. Esse aumento está muito mais explicado pela mudança na estrutura do mercado de trabalho, com queda no emprego formal e aumento no trabalho por conta própria", afirmou o coordenador do IBGE.

O País perdeu 1,237 milhão de vagas com carteira de trabalho assinada no setor privado entre o terceiro trimestre de 2014 e o terceiro trimestre de 2015. No mesmo período, o trabalho por conta própria ganhou adesão de mais 760 mil pessoas, enquanto o total de empregadores cresceu em 297 mil indivíduos. Já a fila do desemprego recebeu mais 2,274 milhões de pessoas em busca de trabalho.

"São jovens, idosos, donas de casa que acabam indo para o mercado de trabalho para ajudar quem perdeu o emprego com carteira assinada", avaliou Azeredo.

O nível da ocupação recuou de 56,8% no terceiro trimestre do ano passado para 56% no terceiro trimestre deste ano.

"O nível da ocupação caiu, o que significa dizer que, entre a população de 14 anos ou mais de idade, você tem menos pessoas trabalhando. O que de certa forma justifica esse aumento da desocupação, porque as pessoas perdem o emprego e acabam indo para o mercado de trabalho tentando se realocar", concluiu o coordenador do IBGE.

Tudo o que sabemos sobre:
desempregopnadibge

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.