Aumento da Selic "é sonho do mercado financeiro", acusa Fiesp

O aumento da Selic, a taxa básica de juros da economia, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central seria "o sonho do mercado financeiro". A avaliação foi feita hoje pelo diretor titular do Departamento de Pesquisa e Estudos Econômicos (Depecon) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Cláudio Vaz.Para ele, a equipe econômica do governo Luiz Inácio Lula da Silva comete, em relação aos juros, o mesmo erro que a equipe do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso cometeu com o câmbio sobrevalorizado no primeiro mandato."Era quase um dogma religioso discutirmos o câmbio no primeiro governo de Fernando Henrique porque poderia provocar uma explosão inflacionária a desvalorização do real. Repetimos o mesmo, agora, na questão dos juros", afirmou.Ele lembra que a moeda brasileira foi desvalorizamos e não houve explosão inflacionária. ?O mesmo vai aconteceria com uma queda dos juros", complementou. Para ele, tanto a fixação do câmbio em R$ 1 por dólar, como manutenção dos juros em dois dígitos cria passivos "extremamente onerosos" às contas públicas e, por isso, seria importante que o Banco Central diminuísse a Selic.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.