Aumento de álcool na gasolina não reduz preço

O Ministério da Agricultura poderá anunciar o aumento de 20% para 24% no porcentual de álcool anidro na gasolina a partir de maio. A informação é do ministro Pratini de Moraes. A mudança não deverá alterar o preço do combustível na opinião do presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro), José Alberto Paiva Gouveia. "O aumento do álcool na gasolina não deve surtir vantagens para o consumidor. Se ocorrer uma redução no preço do combustível, o repasse ao consumidor será muito pequeno", avisa. Gouveia ressalta que o interesse do governo com a medida não é o de reduzir o preço do combustível mas sim desovar os estoques de álcool. A alteração no porcentual do álcool na gasolina também não deverá alterar o rendimento dos veículos brasileiros. Por lei, a mistura de álcool na gasolina é fixada em 22%, com possibilidade de variação de dois pontos percentuais para cima ou para baixo, dependendo da necessidade da política do governo.O porcentual de álcool anidro misturado a gasolina, que desde agosto de 2000 passou para 20%, volta a ser de 24% a partir de maio, com o início da colheita da safra de cana. A medida também pretende melhorar os números da balança comercial. Além disso, o aumento da mistura favorece o crescimento da produção de álcool e evita superprodução do açúcar, que deprime os preços. A Secretaria de Produção e Comercialização do Ministério da Agricultura fará uma reavaliação da safra da cana-de-açucar na região Centro-Sul e dos estoques de álcool do governo e enviará os dados para análise pelo Conselho Interministerial do Álcool (Cima) antes de anunciar a mudança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.