Divulgação
Divulgação

Aumento de custos freia possibilidade de recuperação da indústria em 2015

Com alta nos preços da energia, do aço e com combustível nacional mais caro que no exterior, especialistas começam a rever projeções de crescimento do setor neste ano; competitividade da indústria nacional tende a ficar ainda mais baixa

Márcia De Chiara, O Estado de S. Paulo

17 de janeiro de 2015 | 06h00

O cenário de recuperação da indústria esperado para 2015 pode ser adiado por causa da forte pressão de custos neste início de ano. Aumento do aço entre 4% e 8%, a cotação do petróleo e de derivados elevada no mercado nacional enquanto o preço da commodity despencou no exterior, reajuste esperado para a eletricidade na casa de 30%, além dos estoques industriais altos, são fatores que devem reduzir a competitividade. Pior: podem anular os efeitos positivos da desvalorização do câmbio e de um alívio no mercado de trabalho.

Até novembro, a produção industrial recuou 3,2% e a expectativa é que tenha fechado 2014 no vermelho. Para 2015, o mercado está reduzindo a projeção de crescimento a cada semana e espera agora um avanço de 1,02%, aponta o último Boletim Focus, do Banco Central.

“Ainda não revisamos, mas a nossa projeção tem viés de baixa”, diz o economista da consultoria Tendências, Rafael Bacciotti, que prevê avanço de 1%. Há uma série de fatores, diz ele, que começa a pesar contra a recuperação da indústria, como a alta de custos de insumos essenciais, como aço e energia, e de prováveis desdobramentos das investigações da Lava Jato sobre os investimentos na indústria e no ritmo de atividade.

“Se antes a indústria estava ruim, com perda de competitividade, agora vai ficar pior porque os custos estão subindo no Brasil e caindo no resto do mundo”, afirma o diretor do Departamento de Competitividade da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), José Ricardo Roriz Coelho.

Um exemplo do descompasso entre a indústria nacional e mundial é o caso da nafta, produto derivado do petróleo e matéria-prima básica para a produção de resinas. Coelho diz que o preço da nafta cai no mercado externo por causa do recuo do petróleo, mas no Brasil não há indicações de queda. Ele observa que o corte no preço do petróleo foi proporcionalmente muito maior do que a desvalorização do real em relação ao dólar.

No caso do aço, a correção de preço que houve no mercado interno está ligada à rentabilidade das siderúrgicas, e não a custos, segundo o presidente do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço, Carlos Loureiro. O minério de ferro, principal insumo da siderurgia, caiu quase 6% este mês, aponta a FGV.

Água. “2015 vai ser um ano complicado para a indústria em geral e para a indústria química que é transversal (que atende a vários setores)”, diz o presidente da Associação Brasileira da Indústria Química, Fernando Figueiredo. Além das pressões de custos na energia, ele lembra que a desvalorização do real em relação ao dólar joga contra o setor porque os preços dos insumos são dolarizados e encareceram em moeda nacional.

Figueiredo lembra que a crise de falta de água até agora não tem sido sentida pela indústria petroquímica. Mas, se houver um agravamento, isso pode reduzir a produção, o que aumenta o problema, pois as fábricas químicas têm de rodar com a capacidade mais alta possível. “Se houver aumento de imposto, a situação complica ainda mais.”

Para o gerente de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, “há pressões de custos para todos os lados”. No 3º trimestre de 2014, o indicador de custos industriais apurado pela CNI mostra, por exemplo, que o custo de energia subiu 15,7% ante o mesmo período de 2013, por causa do acionamento das termelétricas, quadro que deve piorar agora com o fim do subsídio ao setor. “Essa e outras pressões de custos devem mitigar a nossa competitividade”, afirma Castelo Branco. Nesta semana, estudo da CNI mostra que, numa lista de 15 países, o Brasil foi o penúltimo em competitividade. 

Tudo o que sabemos sobre:
indústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.