Aumento de custos será de US$ 7,792 bi em cinco anos, diz Gabrielli

A Petrobras detalhou nesta terça-feira que espera um aumento de custos de US$ 7,792 bilhões nos próximos cinco anos. O valor se refere a projetos de exploração e desenvolvimento de produção offshore e também com uma elevação, em relação ao que estava previsto, para o programa de renovação da frota. Somente na construção dos navios petroleiros da Transpetro - mais barcos de apoio a plataformas, por exemplo - serão investidos US$ 2,8 bilhões, ante US$ 1,4 bilhão no planejamento anterior. Segundo o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, o planejamento estratégico da estatal também foi diretamente afetado pela mudança da taxa de câmbio que baliza os negócios da empresa, de R$ 3,01 para R$ 2,50 o dólar. "Projetos reais mais caros em dólar impactam a empresa", afirmou o executivo, ressaltando que a alteração representa um aumento de custos para a empresa de US$ 4,189 bilhões em cinco anos. Ainda segundo ele, a Petrobras alterou o porcentual de participação em alguns projetos, o que elevou seus custos também em mais US$ 2,9 bilhões.Investimentos Os investimentos da empresa estão confirmados em cerca de US$ 15 bilhões em 2006, explicou Gabrielli. Segundo ele, o novo plano da companhia, que prevê média anual de US$ 17,4 bilhões em investimentos até 2011, passa a vigorar em 2007 e não altera em nada os projetos para 2006. Indagado por jornalista se o novo plano da empresa não poderá estar comprometido se houver mudança de governo com as eleições presidenciais deste ano, Gabrielli respondeu que "independente das eleições a empresa continua existindo". Para o presidente, os principais pontos do novo plano são a adaptação das refinarias da empresa ao tipo de óleo produzido no Brasil, expansão da capacidade estratégica de biocombustível e o equilíbrio financeiro da empresa de acordo com a "financiabilidade" do plano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.