carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Aumento de exportações sustenta saldo comercial, diz Funcex

O saldo comercial, acumulado em US$ 10,060bilhões até outubro, está crescendo devido ao aumento dasexportações e não pela redução das importações, destaca oBoletim da Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior(Funcex) de outubro, divulgado hoje. "O fato maisimportante quanto aos últimos dados da balança comercial é queos elevados saldos comerciais não se devem a uma quedaexpressiva das importações, como fora a regra entre meados de2001 e junho deste ano. Embora as importações permaneçam emqueda, o ritmo recente da balança comercial tem sido ditado pelogrande dinamismo das exportações, e mais especificamente dasquantidades exportadas", diz o texto. O rápido crescimento das vendas externas a partir dejulho também é enfatizado. Lembrando que até junho asexportações no ano acumulavam queda de 13,4% em relação ao mesmoperíodo do ano passado, a Funcex observa que este ano deveterminar com crescimento das exportações, se for mantidodesempenho dos últimos meses. "Este desempenho excepcional das exportações é aindamais impressionante quando levamos em conta três fatores (...):a expressiva queda dos preços de exportação, a profunda reduçãodas vendas para a Argentina e a estagnação do volume do comérciomundial", diz. O Boletim Funcex refere-se ao recorde de US$ 6,5 bilhõesde exportações no mês de setembro, que representou umcrescimento de 36,5% das exportações em relação ao mesmo mês doano passado. O estudo da Funcex foi feito antes da divulgaçãofeita ontem dos dados da balança comercial de outubro, que tevesaldo de US$ 2,204 bilhões, com exportações recorde para mesesde outubro de US$ 6,474 bilhões e importações de US$ 4,270bilhões. O estudo mostra ainda que as quantidades exportadas têmcrescido bem mais que os valores totais das exportações. Atésetembro, quando o total de exportações pelo valor aindamostrava queda de 1,9% acumulada no ano em relação a janeiro asetembro de 2001, a quantidade exportada já mostrava crescimentode 3,5% no mesmo período. "Esta expansão do quantum não se reflete ainda emtermos de valor devido ao mau comportamento dos preços, quemantêm uma trajetória de queda que já dura, a rigor, cinco anos- com um breve lapso de recuperação ao longo de 2000", diz aFuncex. Substituição - O boletim diz ainda que há clarosindícios de substituição das importações, principalmente nosbens de consumo, e nenhum sinal de recuperação das compras deprodutos estrangeiros. A queda das importações em 12 meses, atésetembro, foi de 12,7% em relação aos 12 meses anteriores. "Defato, a magnitude da queda dos quanta de importação sugere umexpressivo processo de substituição de importação nos últimostempos, como reflexo do brutal encarecimento dos produtosimportados, em conseqüência da desvalorização do real", diz otexto. O boletim observa também que, com a alta do dólar, ocâmbio real e a rentabilidade das exportações apresentam ganhosexpressivos este ano. A desvalorização do real em 12 meses atésetembro, quando a cotação média foi de R$ 3,34 por dólar, foide 25,1%. O aumento do índice de rentabilidade das exportaçõesaté setembro, calculado pela Funcex, foi de 22% desde dezembrodo ano passado e de 34,3% desde a flutuação do câmbio em janeirode 1999.

Agencia Estado,

05 de novembro de 2002 | 19h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.