Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Aumento do FGTS para compra de imóvel

O Conselho Curador do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) negocia alternativas para ampliar os limites de crédito à produção e à aquisição de imóveis. A proposta inicial, de elevar os tetos de R$ 3,020 mil para R$ 3,6 mil (no caso da renda familiar do tomador) e de R$ 50,407 mil para R$ 60 mil (valor do imóvel) enfrentou grande resistência de membros do Conselho.O grupo estuda uma alternativa. Os novos valores propostos são de até R$ 3,250 mil (renda familiar) e valor dos imóveis de até R$ 55 mil, na planta, e R$ 44 mil, no caso de unidades prontas. Um membro do Conselho ligado ao setor reconheceu que os valores atendem apenas razoavelmente à construção civil. "Não é tudo que se poderia ter, mas é o possível agora", disse.Segundo a fonte, a proposta agradou o Banco Central, principal foco de resistência contra os valores sugeridos inicialmente. A medida deve ser analisada na próxima reunião do Conselho Curador, ainda sem data para se realizar.Salário-mínimoO reajuste dos tetos de crédito imobiliário é pleiteado pela construção desde abril, quando o salário-mínimo passou para R$ 180. Conforme a fonte, as operações de crédito com recursos do FGTS têm limites fixados pelo salário-mínimo.No crédito imobiliário, há duas faixas de financiamento: até 12 salários-mínimos de renda familiar e até 20 salários mínimos. A intenção inicial dos conselheiros ligados à construção elevar os tetos de financiamento de R$ 1,812 mil para R$ 2,160 mil e de R$ 3,020 mil para R$ 3,6 mil. A proposta não chegou a ser votada pelo Conselho, que cancelou sua reunião de maio. Informalmente, contudo, os valores sofreram críticas e obrigaram os representantes da construção a apresentar alternativas.

Agencia Estado,

25 de junho de 2001 | 19h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.