Aumento do IR de agricultores pode ser revisto, diz deputado

O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, reconheceu nesta sexta-feira que o aumento da tributação do Imposto de Renda para os agricultores não era o seu objetivo quando o governo editou a medida provisória 232, que trata da correção da tabela do Imposto de Renda. O ministro reafirmou no entanto que não abrirá mão de taxar as empresas prestadoras de serviços, especialmente os profissionais liberais "por uma questão de justiça", segundo relatou o deputado Augusto Nardes (PP-RS), após audiência com Palocci.Segundo Nardes, Palocci não chegou a assumir o compromisso de retirar da medida provisória o aumento da taxação sobre os pequenos agricultores, mas deu a entender que nas negociações, o artigo que trata do assunto poderá ser retirado. O ministro admitiu também rever o aumento da taxação sobre alguns setores de serviços prevista na medida provisória. A revisão, no entanto, só será discutida durante a votação da lei geral das micro, pequenas e médias empresas, prevista para este ano, informou o deputado. Entre as categorias a serem incluídas nesta negociação estariam os contadores, representantes comerciais, corretores de seguros e as imobiliárias, que seriam, segundo o deputado, as categorias mais prejudicadas com o aumento da base de cálculo do imposto de renda pago pelo lucro presumido das empresas.O deputado vai discutir o projeto com representantes das empresas do setor de serviços no próximo dia 20, quando comunicará a posição do ministro e seu apoio ao projeto da pré-empresa. Líder da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa, Nardes recebeu do ministro o pedido para apoiar o projeto de lei que institui a chamada pré-empresa, que tramita na Câmara dos Deputados. "O ministro propôs uma agenda que consta da votação da medida provisória 232, o projeto da pré-empresa e a lei geral, quando a taxação das microempresas voltará a ser discutida", disse Nardes à Agência Estado. O parlamentar negociou sua audiência com o ministro durante viagem que fez com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva esta semana e reclamou do aumento da taxação sobre as micro e pequenas empresas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.