Aumento do petróleo não preocupa, diz Barrizzelli

O economista Nelson Barrizzelli, professor da Universidade de São Paulo, não está preocupado com o aumento nos preços do petróleo e considera que não há razão para se mexer nos preços. Para ele, o Brasil produz hoje quatro dos cinco barris que consome e os preços do consumo interno não estão indexados ao dólar. Em entrevista ao programa Conta Corrente, da Globo News, ele lembrou que o preço de ontem (44 dólares o barril) representa um recorde histórico apenas nominal. "Se nós fizéssemos o calculo efetivo do valor real do barril de petróleo hoje versus situações passadas, ele deveria estar custando muito mais do que 70, 80 dólares. Portanto, não há nenhuma razão para alarme. Este é um movimento especulativo internacional, que não deveria afetar a nossa economia."Prejuízos para empresasSobre o eventual prejuízo de refinarias brasileiras privadas que operam no setor do petróleo e que pagam o preço internacional do produto, bem como as empresas que têm parceria com a Petrobras, o professor da USP disse que isso faz parte da dinâmica capitalista. "Não há nenhuma razão para nós estabelecermos, a priori, lucratividade garantida, simplesmente pela volatilidade de preços. Da maneira como o preço da matéria prima sobe para todas as empresas no Brasil, em qualquer ramo, e essas empresas se defendem reduzindo custos, tanto a Petrobras como essas empresas que têm qualquer participação particular devem reagir da mesma forma: é trabalhar nos custos, é reduzir despesas, é se tornar competitiva, independentemente de como o preço das matérias primas vai variar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.