Aumento no preço do arroz deve continuar, diz instituto

Pesquisadores filipinos afirmam que demanda ultrapassa produção.

Da BBC Brasil, BBC

11 de abril de 2008 | 16h55

Uma pesquisa de um dos principais centros de pesquisa do setor de agricultura na Ásia, o Instituto Internacional de Pesquisa em Arroz (IRRI, na sigla em inglês), informou nesta sexta-feira que o preço do produto deve aumentar ainda mais.O instituto, baseado nas Filipinas, afirmou em sua revista, Rice Today, que a demanda está ultrapassando a produção.O preço do arroz registrou alta de até 70% em 2007, e o aumento de preços acelerou ainda mais nas últimas semanas."O desequilíbrio entre fornecimento e demanda, no longo prazo, está claramente indicado pela diminuição do estoque, que está ocorrendo há vários anos", disse Sushil Pandey, economista agrícola do IRRI.Segundo Steve Jackson, editor da BBC para o Leste Asiático, cerca de 3 bilhões de pessoas, quase metade da população mundial, dependem do arroz como alimento base de suas dietas.FatoresO instituto afirma que vários fatores são responsáveis pelo aumento no preço do arroz."Estamos consumindo mais do que estamos produzindo, e é preciso fazer mais pesquisas para aumentar a produtividade do arroz, para sanar este desequilíbrio", acrescentou Pandey.Segundo o IRRI, as terras para produção de arroz e a água para irrigação estão sendo perdidas devido à industrialização e à urbanização.A crescente demanda por carne e laticínios, principalmente na crescente classe média de países como Índia e China, também está tomando as terras que antes eram voltadas para a produção de arroz.Fatores climáticos como inundações na Indonésia e Bangladesh, e o recente clima frio no Vietnã e na China, também prejudicaram a produção, segundo o IRRI.Os grandes produtores de arroz, China, Vietnã, Egito e Índia, impuseram restrições às exportações.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.