Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão
Imagem Pedro Fernando Nery
Colunista
Pedro Fernando Nery
Doutor em Economia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Austeridade progressista

Há amplo espaço para fazer ajuste sobre os brasileiros que vivem melhor

Pedro Fernando Nery*, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2020 | 04h00

“O termo ‘austeridade’ indica uma política de redução considerável nos déficits do governo e de estabilização de sua dívida, alcançadas por meio de cortes de gastos ou aumento de impostos, ou ambos.” A definição é do célebre economista italiano Alberto Alesina, que nos deixou no último mês, em seu livro mais recente (Austerity). Uma discussão sobre o que é austeridade floresceu na semana passada depois de uma importante edição do programa Roda Viva, que relacionou austeridade ao racismo.

O entendimento de Alesina, corriqueiro entre economistas, remete também ao que se conhece como política fiscal contracionista. Assim, são medidas de austeridade desde o aumento de impostos sobre os mais ricos até cortes no Bolsa Família. Mas a definição dos economistas não acompanha o significado que o termo ganhou no debate político, em que austeridade está associada a cortes contra os pobres. 

Após a sua aula sobre racismo estrutural no centro do Roda, o jurista Silvio Almeida respondeu à controvérsia em um texto: “Chama-se por austeridade fiscal o corte das fontes de financiamento dos ‘direitos sociais’ a fim de transferir parte do orçamento público para o setor financeiro privado por meio dos juros da dívida pública”. 

Em uma leitura dessa definição, não haveria austeridade no Brasil desde 2013 – último ano de superávit primário. Quando a União faz superávit primário, transfere recursos da arrecadação de tributos para abater a dívida pública, incluindo o pagamento de juros. Superávits primários foram obtidos em todo o governo Lula e nos primeiros anos de Dilma

Bolsonaro seguirá Temer: os únicos presidentes desde Sarney a não fazer superávit em ano algum – ou, nesta definição, a não implementar políticas de austeridade. É evidente, porém, que queixas de cortes incidindo sobre direitos sociais foram mais pronunciadas justamente no período de 2014 para cá – em que a União pegou emprestado no mercado para pagar pelas políticas públicas que não conseguem se financiar só com tributos (os déficits primários). O que aconteceu?

Consideremos os três primeiros anos do teto de gastos: 2017 a 2019. Para muitos economistas, o teto teve o efeito positivo de reduzir os juros no período, ao reduzir o risco (preço) de financiamento da dívida. Apesar disso, nesses três primeiros anos do teto houve um aumento de quase R$ 100 bilhões no gasto social, se o entendermos como o gasto com Seguridade Social. Não é que o SUS ou o Bolsa tenham sido muito ampliados: é que o gasto previdenciário seguiu seu ritmo de aceleradíssimo crescimento. 

Em outra leitura da definição de Almeida, a mera busca pelo superávit primário (com redução do déficit) já configuraria a austeridade. (De fato, métricas usadas por economistas para mensurar austeridade não exigem superávits, e são calculadas pela variação no resultado primário – o chamado impulso fiscal.) Seja como for, os déficits primários devem continuar por muito tempo – em nova estimativa da IFI, até 2033. Sem ajuste, podemos rumar para uma crise da dívida que desempregará ainda mais e para uma alta da inflação que empobrecerá os mais vulneráveis. 

Mas se a reforma da Previdência já foi realizada, o que fazer? Como responder sem cortar políticas que de fato atendem os mais excluídos? Na definição de austeridade de Alesina claramente não há nada que implique que o ajuste fiscal deva se dar sobre os mais pobres.

Pautas como a redução das renúncias, a tributação de lucros, dividendos e heranças, o corte de supersalários e mesmo o imposto sobre grandes fortunas podem fazer parte do esforço de estabilização da dívida. Pela definição de Alesina, são medidas de austeridade. Responsabilidade fiscal não precisa ser tema da direita, e os que se consideram progressistas podem abraçar a agenda.

As alternativas mais frequentemente colocadas têm evidências mais negativas que a cloroquina: não se leva a sério que gastar mais sempre amplia tanto a arrecadação a ponto de reduzir o déficit, nem que se possa emitir moeda para financiar continuadamente as despesas sem consequências. Tampouco que basta auditar a dívida. Essas são também alternativas conservadoras, que deixam privilégios dos mais ricos intocáveis e tendem até a piorar a desigualdade, ao jogar uma pesada conta sobre os mais pobres com a instabilidade econômica decorrente do desajuste.

Há amplo espaço para fazer ajuste sobre os brasileiros que vivem melhor, sejam beneficiados pelo sistema tributário ou pelo próprio gasto público mal direcionado, a fim de que os mais pobres se beneficiem dos efeitos virtuosos da austeridade sobre a estabilidade da moeda e juros menores – geradores de crescimento e empregos. Reforma fiscal pode também ser reforma social.

*DOUTOR EM ECONOMIA 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.