Áustria nacionaliza banco Hypo para evitar colapso

A Áustria nacionalizou o Hypo Group Alpe Adria nesta segunda-feira para evitar um colapso da instituição que poderia abater a confiança nos bancos da Europa oriental.

CHRISTIAN GUTLEDERER E PETER MAUSHAGEN, REUTERS

14 de dezembro de 2009 | 12h20

A Áustria está tomando o controle total do banco após um fim de semana de disputas que azedaram as relações entre o país e a Alemanha e pediram a intervenção dos presidentes do Banco Central Europeu (BCE) e do banco central alemão.

O banco estatal alemão BayernLB, a seguradora austríaca Grawe e a região austríaca de Carinthia cederam suas partes por uma quantia nominal e injetaram cerca de 1 bilhão de euros (1,5 bilhão de dólares) em capital, informou o ministro das Finanças Josef Proell.

A Áustria injetará até 450 milhões de euros e terá que limpar o balanço do banco, enfrentando perdas futuras no processo, mas autoridades disseram que o prejuízo de uma moratória seria maior.

"A situação de risco desse banco criou uma enorme ameaça à Áustria nos últimos dias", disse Proell.

O acordo reverteu um colapso que poderia levar a uma corrida não apenas ao Hypo e aos bancos da Áustria como a outros bancos na Croácia, na Sérvia e na Bósnia, onde o Hypo e outras instituições austríacas são grandes bancos de varejo.

O presidente do banco central da Áustria, Ewald Nowotny --que disse ter pedido ao presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, e ao do BC alemão, Axel Weber, que colocassem pressão sobre os tomadores de decisão da Alemanha e da Áustria-- disse estar ciente de que o resgate resulta em um risco moral.

"Sim, é um problema", disse ele em entrevista coletiva. "Mas um cenário de insolvência teria implicações maciças para a economia da Áustria, para os bancos da Áustria e para o setor público da Áustria."

O Hypo, sexto maior banco austríaco, estava sendo abalado por até 1,7 bilhão de euros em baixas contábeis e perdas com empréstimos.

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSAUSTRIANACIONALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.