Autoridade do BC japonês diz que China está em 'zona de perigo'

A combinação de uma bolha de preços imobiliários, mudanças demográficas e um crescimento rápido de empréstimos aumenta a chance de um país enfrentar uma crise financeira, afirmou nesta terça-feira um vice-presidente do Banco do Japão, o banco central do país, alertando que a China está entrando agora numa "zona de perigo" no que se refere a isso.

LEIKA KIHARA, Reuters

21 de agosto de 2012 | 09h38

Kiyohiko Nishimura, um dos dois vice-presidentes do BC japonês e um ex-professor universitário especializado em análise de dados, notou que há similaridades entre a bolha de ativos do Japão da década de 1990 e a bolha do mercado imobiliário dos Estados Unidos dos anos 2000.

Em ambos os casos, quando a taxa de pessoas economicamente ativas atinge um pico num período de altos preços de imóveis e aumento rápido de empréstimos, essas condições levam a bolhas "malignas" que geram uma crise financeira, disse ele.

"A China ainda não chegou ao pico no que se refere à taxa da população economicamente ativa, mas está perto", enquanto os empréstimos estão subindo e os preços de imóveis mostraram um claro aumento durante 2010, afirmou Nishimura em conferência em Sydney, na Austrália, organizada pelo banco central do país e pelo Banco para Acordos Internacionais.

"Está claro que nem todo episódio de estouro de bolha leva a uma crise financeira. No entanto, se a mudança demográfica, uma bolha dos preços imobiliários e um forte aumento dos empréstimos coincidem, então uma crise financeira parece mais provável. E a China está entrando agora na 'zona de perigo'", afirmou ele, de acordo com texto de sua apresentação publicado no site do BC japonês.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCHINAESTUDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.