''Autoridades brasileiras mostraram liderança''

Strauss-Kahn elogia engajamento do País em reforçar os recursos do FMI

Patrícia Campos Mello, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

11 de junho de 2009 | 00h00

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, comemorou ontem a "liderança" do Brasil na decisão de comprar até US$ 10 bilhões em títulos emitidos pelo Fundo, como forma de capitalizar a instituição. "Com esse anúncio, o Brasil se junta a outros países no cumprimento dos compromissos assumidos pelas nações do G-20 na cúpula em Londres, em abril", disse Strauss-Kahn. Os países do G-20 (das 20 maiores economias mundiais) haviam se comprometido em injetar até US$ 500 bilhões no Fundo Monetário Internacional para a instituição conseguir ajudar outros países a sair da crise financeira.O Brasil, com a Rússia e a China, propuseram a ideia de comprar títulos emitidos pelo Fundo como forma de injetar recursos na instituição. Esses países não queriam colaborar da forma tradicional enquanto não houvesse uma reforma mais profunda na instituição, dando mais poder aos emergentes. A China prometeu comprar até US$ 50 bilhões em títulos e a Rússia, US$ 10 bilhões. Espera-se que a Índia anuncie em breve sua compra de títulos do Fundo (ler matéria abaixo)."As autoridades brasileiras mostraram liderança e engajamento no processo de reforma do Fundo Monetário Internacional e expansão dos recursos do Fundo, e eu fico feliz porque o Brasil está mostrando forte apoio ao sistema financeiro e econômico internacional. O Brasil mais uma vez reafirma seu forte papel de liderança entre as economias emergentes", disse Strauss-Kahn. Segundo o diretor-gerente do Fundo, os títulos devem ser emitidos "o mais rapidamente possível".RESERVASOs títulos são vistos por alguns países, como China e Rússia, como uma maneira de diversificar suas reservas internacionais, excessivamente concentradas em dólares e títulos do Tesouro americano. O banco central chinês já demonstrou preocupação em relação a isso e propôs que os Direitos Especiais de Saque do Fundo venham a se tornar a moeda de reserva mundial.O Banco Central do Brasil vai decidir que ativos de suas reservas irá vender para comprar os títulos do FMI. Os títulos do Fundo irão ter rendimento semelhante ao dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos e serão denominados na moeda do Fundo, os Direitos Especiais de Saque, que variam de acordo com uma cesta de moedas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.