Autoridades evitam falar sobre etanol em abertura de cúpula

Assunto divide latino-americanos e europeus durante reunião em Lima; líder da UE pede solução para alimentos

Leonencio Nossa, da Agência Estado,

16 de maio de 2008 | 13h21

Os participantes da V Cúpula de Chefes de Estado da América Latina, Caribe e União Européia, que está sendo realizada em Lima, capital do Peru, evitam entrar na polêmica sobre a produção do etanol. Durante a abertura do encontro, o presidente da União Européia, José Manoel Durão Barroso, e o presidente do Peru, Alan García, não fizeram referências ao assunto que divide os lideres latino-americanos e europeus.  Veja também: Entenda a crise dos alimentos 'Petrolíferas estão por trás de pressão contra etanol', diz LulaAlta dos alimentos é 'ameaça humanitária', alerta ONU Durão Barroso apenas propôs "ações conjuntas" para enfrentar o problema do aumento dos preços dos alimentos. "A União Européia considera fundamental uma reação urgente de ajuda humanitária", afirmou. "A inflação dos preços causa um desequilíbrio entre oferta e demanda.", acrescentou. Já o presidente Alan García afirmou que os países precisam ter "responsabilidade" para resolver a crise dos alimentos. A União Européia quer estabelecer exigências e metas sociais e ambientais para os produtores de biocombustíveis. Essa proposta é criticada pelo governo brasileiro, que não aceita regras para a venda do etanol.  O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que não fez discurso na primeira parte do encontro, já disse não aceitar que o biocombustível seja responsabilizado pela falta de alimentos no mercado internacional.

Tudo o que sabemos sobre:
CúpulaetanolLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.