Auxílio-desemprego nos EUA atinge maior nível da história

Beneficiados chegam a 4,776 milhões em janeiro, o maior número desde o início do levantamento, em 1967

Ana Conceição, da Agência Estado,

29 de janeiro de 2009 | 14h00

Os beneficiados pelo auxílio-desemprego nos Estados Unidos atingiram um total de 4,776 milhões em janeiro, o maior nível desde o início do levantamento, em 1967. Segundo dados do Departamento de Trabalho, os pedidos subiram em 3 mil na semana encerrada em 24 de janeiro, para um nível sazonalmente ajustado de 588 mil.   Veja também: Desemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise     O número da semana anterior, que tinha ficado apenas mil pedidos abaixo da marca mais alta desde 1982, foi ajustado ligeiramente para baixo. Economistas consultados pela Dow Jones esperavam que os pedidos de auxílio-desemprego caíssem em quatro mil na semana encerrada dia 24. A média quadrissemanal dos pedidos, usada para suavizar a volatilidade do dado, saltou 24.250 pedidos para 542.500.   Um analista do Departamento do Trabalho observou que não houve "nada terrivelmente incomum" que tenha afetado os dados divulgados hoje. Os Estados Unidos registraram corte de vagas em cada um dos últimos 12 meses e os empregadores demitiram a uma taxa de meio milhão de pessoas por mês nos quatro últimos meses de 2008. Os números de janeiro apontam para outra grande queda no emprego, quando os dados do mês forem divulgados na próxima semana.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraEstados UnidosEmprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.