finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Auxílio-desemprego nos EUA atinge nível mais alto em 7 anos

Número de pedidos vai a 516 mil e é o maior desde as semanas seguintes aos ataques de 11 de setembro de 2001

Reuters,

13 de novembro de 2008 | 12h04

O número de trabalhadores norte-americanos que deram entrada em novos pedidos de auxílio-desemprego subiu na última semana para 516 mil, o nível mais alto desde as semanas seguintes aos ataques de 11 de setembro de 2001, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira.   Veja também: De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  Entenda a disparada do dólar e seus efeitos   O dado ultrapassou as previsões, com analistas ouvidos pela Reuters esperando que os novos pedidos ficassem em 484 mil. Os pedidos estiveram tão alto assim pela última vez na semana que terminou em 29 de setembro de 2001, quando foram de 517 mil.   Uma autoridade do departamento disse que não há fatores especiais contribuindo para o aumento de pedidos, mas notou que pedidos de auxílio-desemprego geralmente aumentam na época do fim do ano. A média móvel quadrissemanal, que suaviza as variações semanais, foi de 491 mil pedidos, a mais alta desde março de 1991.   Os pedidos contínuos chegaram a 3,897 milhões para a semana que terminou em 1º de novembro, o último período para o qual os dados eram disponíveis, o que significa um aumento ante os 3,832 milhões da semana anterior, representando o maior número de pessoas com auxílio-desemprego contínuo em um quarto de século.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraCrise nos EUAEmprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.