Auxílio-desemprego nos EUA vai a maior nível em 1 mês

O número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego subiu na semana que terminou em 20 de junho para o maior nível desde 16 de maio, refletindo dispensas relacionadas ao fim do ano escolar e sinais de que o mercado de trabalho permanece enfraquecido. Ao mesmo tempo, o total de norte-americanos que recebem auxílio-desemprego voltou a subir, após forte queda na semana passada.

CYNTHIA DECLOEDT, Agencia Estado

25 de junho de 2009 | 09h55

Segundo o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, os pedidos iniciais de auxílio-desemprego subiram 15 mil na semana que terminou em 20 de junho, após ajustes sazonais, para 627 mil. Economistas esperavam queda de 3 mil. O dado da semana anterior foi revisado em alta. A média móvel de pedidos feitos em quatro semanas - calculada para suavizar a volatilidade do dado - aumentou 500, para 617.250.

Na semana encerrada em 13 de junho, o número total de norte-americanos que recebiam auxílio-desemprego subiu 29 mil, para 6,738 milhões, depois de uma queda de 126 mil na semana anterior. A taxa de desemprego referente aos trabalhadores com direito ao benefício e que estão recebendo o auxílio-desemprego permaneceu em 5%, a mesma taxa da semana anterior. Nos EUA, as regras para distribuição do auxílio-desemprego variam de Estado para Estado e nem todos os desempregados têm direito ao benefício. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
empregoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.