Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Avanço em Cancún ajuda negociação da Alca, dizem EUA

O vice-representante comercial dos Estados Unidos, Peter Allgeier, disse que se houver avanços nas questões agrícolas durante a 5ª Reunião Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC), que acaba amanhã em Cancún, as negociações da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) serão facilitadas, tornando mais factível o cronograma original de implementação da Alca, previsto para janeiro de 2005. "Progresso em questões agrícolas importantes aqui em Cancún tornariam as negociações da Alca mais fáceis porque o que os Estados Unidos e o Brasil, além de outros países do Hemisfério, querem é um terreno mais justo para a competição. E os temas agrícolas são também preocupações fundamentais nas negociações da Alca", afirmou Allgeier. O G-21, grupo de países em desenvolvimento liderados pelo Brasil, reivindicam a eliminação total dos subsídios a exportações agrícolas, entre outros pontos. Os Estados Unidos, segundo Allgeier, não se opõem ao fim dos subsídios a exportações, mas querem em troca maior abertura dos mercados dos países em desenvolvimento, não somente aos produtos agrícolas, mas a outras áreas como serviços e produtos manufaturados. Os paises em desenvolvimento também querem o fim dos subsídios à produção doméstica de produtos agrícolas. Na Alca, os temas relacionados à Agricultura também sao considerados os mais sensíveis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.