finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Aventureiros ameaçam administração condominial

A dificuldade de encontrar-se um emprego fixo e a falta de regulamentação da profissão de administrador de empresas acaba levando pessoas sem a capacitação necessária a exercerem essa função no mercado, segundo o presidente da Associação de Administradoras de Bens, Imóveis e Condomínios (Aabic), José Roberto Graiche."Os prejuízos para o condomínio podem ser causados não só por desonestidade, mas também por incompetência", diz. Ele questiona, principalmente, a eficiência de autônomos que se propõem a administrar. "Uma pessoa só não dá conta de oferecer todos os serviços exigidos hoje. Ela teria de entender de contabilidade, recursos humanos, direito, segurança", afirma."O mercado está cheio de aventureiros", alerta a administradora Maria Lúcia Abdalla, da empresa OMA. Ela diz que economizar na hora de contratar um profissional pode não ser uma boa escolha. "Com um erro de cálculo na folha de pagamento toda a economia vai a baixo."Somente profissionais reconhecidos pelo mercado devem ser contratadosCuidar do departamento pessoal é uma das maiores dificuldades da administração de condomínios, para a subsíndica Lourdes Luiz Teixeira, do Edifício Gran Ville, no Jabaquara. "É fundamental ter uma boa empresa para ajudar. A não ser que o síndico saiba tudo", diz. Ela conheceu a administradora de seu prédio por indicação, mas observou os serviços oferecidos antes de contratá-la. "Não queremos ficar na mão."Autora do livro Como administrar um condomínio, a administradora e consultora do Senac Fátima Regina de Souza é enfática ao dizer que só um profissional reconhecido no mercado deve ser contratado para a função. "Poucos síndicos buscam referências das empresas. Infelizmente, o preço é o que mais pesa na escolha."Fátima é professora de administração de pessoal em condomínio no Senac, que a partir do ano que vem terá um curso específico sobre administração de condomínios. O Centro de Tecnologia em Administração e Negócios do Senac oferece outros cursos na área, como segurança patrimonial, zeladoria e técnica de portaria.Autogestão pela InternetA administradora carioca Moura & Lopes lançou, há cerca de um mês, um sistema de autogestão para condomínios residenciais pela Internet. Pelo computador, cada síndico vai poder controlar as atividades do departamento pessoal, gerir toda a parte financeira do prédio e manter contato direto com os condôminos.A ferramenta ainda permite a contratação de serviços avulsos complementares à administração, como assessoria jurídica, assistência em assembléias e homologação de rescisão de contrato de trabalho. "Pensamos em oferecer o serviço de administração para quem, por qualquer motivo, não tem acesso a empresas especializadas", explica o diretor da empresa Júlio Moura. "O objetivo do sistema é tornar o prédio inteligente."Cada condomínio ganha uma home page, onde todos os moradores podem conferir as operações que estão sendo feitas no edifício. "Isso vai dar transparência à ação do síndico e incentivar a participação da comunidade na administração", acredita Moura.O serviço tem um custo três vezes menor que o cobrado normalmente, segundo o diretor. "A média de preço é de R$ 7,50 por unidade enquanto pelo sistema de autogestão o valor diminui para R$ 2,50 por apartamento."Aluguéis têm alta de 6% em 12 mesesA Pesquisa Mensal de Valores de Locação Residencial do Sindicato da Habitação (Secovi-SP) indica que os valores cobrados nos aluguéis permaneceram estáveis na cidade de São Paulo no mês de setembro. A alta foi de 0,1% no período. A alta nos últimos 12 meses foi de 6% e, desde o começo do ano, a variação foi de 4%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.