finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Aversão a risco derruba Bolsas

Sinais de contágio da bolha imobiliária na economia real nos EUA também pressionam dólar, juros e risco Brasil

Silvana Rocha, Claudia Violante e Denise Abarca, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2015 | 00h00

As varejistas norte-americanas Wal-Mart e Home Depot anunciaram números piores no 2º trimestre por causa de problemas de crédito decorrentes da bolha imobiliária. Além disso, um fundo anunciou a suspensão de resgates em uma de suas carteiras, enquanto emissores de commercial papers canadenses pediram financiamento aos seus provedores de liquidez. Essas notícias exacerbaram os temores com o setor de crédito. O BC europeu fez uma colocação no overnight de US$ 10,46 bilhões, e outra por sete dias, regular, de US$ 421 bilhões. Os investidores buscaram proteção nos títulos americanos e as Bolsas caíram. Aqui, a Bovespa perdeu 2,90%, para 50.911,8 pontos - menor nível desde 24/5. O dólar subiu a R$ 1,985 na BM&F (2,19%) e balcão (2,16%). O juro de janeiro 2010 saltou a 11,46% e o risco Brasil, para 197 pontos-base.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.