finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Aversão a risco e queda da Bovespa impulsionam dólar

O aumento da aversão a risco noexterior e a forte queda da Bolsa de Valores de São Paulo(Bovespa) garantiram a alta de quase 2 por cento do dólar nestasegunda-feira. A moeda norte-americana terminou o dia a 1,778 real, comvalorização de 1,83 por cento. Foi a quarta alta seguida dodólar e o maior avanço diário desde 28 de agosto. O sinal amarelo continuou aceso no exterior por conta dosproblemas no mercado de crédito de alto risco (subprime). Comos investidores menos dispostos a correr riscos, houve umazeragem de posições e uma corrida por dólares em todo o mundo. Isso fez a moeda norte-americana manter o comportamento dasúltimas sessões, quando ela inverteu a tendência generalizadade queda e passou a subir ante a maioria das moedas. No Canadá,por exemplo, o dólar caminhava para a maior valorização diáriadesde 1971. No Brasil, esse movimento de aversão ao risco afetouprincipalmente a Bovespa, que chegou a cair mais de 3 por centodurante a tarde. A queda do índice era ampliada pela realizaçãode lucros na Petrobras, que disparou na semana passada antes deanunciar lucros menores que o esperado na noite de sexta-feira. "O clima não está dos mais favoráveis. O mercado está commedo do que pode acontecer lá fora", disse Renato Schoemberger,operador da Alpes Corretora. "Talvez o fluxo (de câmbio) hojeesteja negativo", apontou. Mario Battistel, gerente da Fair Corretora, avalia que aatuação do Banco Central no mercado à vista também colaboroupara a alta do dólar. O leilão de compra, que vinha sendorealizado à tarde nos últimos dias, começou às 12h29. "Ajudou com certeza. Foi num horário em que o pessoal nãoesperava, pegou todo mundo no contrapé", disse. Na operação, o BC definiu taxa de corte a 1,7689 real eaceitou, segundo operadores, ao menos duas propostas. Segundo o gerente, o restante da semana prometevolatilidade, principalmente na quarta-feira, na véspera doferiado da Proclamação da República no país. "Mas amanhã achoque já embica para baixo de novo", estimou, esperando umaumento do volume de negócios com o mercado norte-americano emforça total após o Dia dos Veteranos. Nesta segunda-feira, o mercado de bônus permaneceu fechadonos Estados Unidos. As bolsas operavam em alta, mas com volumeenfraquecido. (Reportagem adicional de Kevin Plumberg, em Nova York)

SILVIO CASCIONE, REUTERS

12 de novembro de 2007 | 16h46

Tudo o que sabemos sobre:
DOLARFECHAATUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.