Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Aversão ao risco faz bolsa de Tóquio fechar em queda

Índice Nikkei recuou 0,7% ficando em nível abaixo de 13 mil pontos pela primeira vez desde meados de junho 

25 de junho de 2013 | 09h09

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em queda pela segunda sessão seguida nesta terça-feira, após uma sessão volátil. O enfraquecimento dos papéis na China e preocupações sobre a alta nas taxas de juros dos EUA intensificaram o sentimento de aversão ao risco, afastando as compras de busca por barganhas.   

O índice Nikkei caiu 0,7%, para 12.969,34 pontos, após o recuo de l,3% na segunda-feira, levando o Nikkei para um nível abaixo de 13 mil pontos pela primeira vez desde meados de junho.

Agentes do mercado disseram que uma recuperação do mercado após uma série de quedas acentuadas desde 23 de maio parece cada vez mais duvidosa, tendo em vista que grande parte do volume de negócios desapareceu.

Pouco mais de 2,7 bilhões de ações mudaram de mãos no Topix, totalizando 2,28 trilhões de ienes - um avanço ante a sessão anterior, mas ainda bem abaixo dos níveis considerados como indicadores de um amplo interesse dos investidores.

A participação reduzida ajudou a aumentar a volatilidade, o que pode ser comprovado na variação de mais de 476 pontos no índice Nikkei.

A falta de interesse resultou em pouco movimento durante a sessão da manhã. A onda de vendas em Wall Street na segunda-feira, que ocorreu parcialmente por causa de taxas mais elevadas nos Tresuries, deixaram os investidores no Japão um pouco mais otimistas em relação a um dólar mais forte, apesar do enfraquecimento da moeda na terça. Por volta do horário de fechamento do pregão em Tóquio, o dólar mudava de mão aos 97,50 ienes.

Segundo analistas, a escassez de liquidez do sistema bancário da China e a desaceleração do crescimento chinês já resultam em um efeito de "fuga de capitais". E "o Japão é visto como um relativo porto seguro", disse um diretor de operação de ações de uma corretora estrangeira.

Ainda assim, já como a China e outros mercados acionários da Ásia tiveram fortes baixas na sessão, os compradores de ações japonesas se retiraram do mercado - pelo menos temporariamente.

"Ainda que um ambiente de taxas de juros dos EUA mais elevadas implique em um dólar mais forte, as vendas mais amplas nos mercados de ações regionais afetam a todos, independentemente da moeda. O clima está cada vez mais de aversão ao risco", disse o gestor de fundos Naoki Fujiwara, do Shinkin Asset Management. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.