Reuters
Reuters

Aviação no País dobrará em 20 anos, diz Airbus

Turbulências pontuais não deverão impedir rota de expansão; total de passageiros domésticos deverá chegar a 207 milhões em 2038

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2019 | 04h00

O número de passageiros brasileiros no mercado doméstico de aviação alcançará 207 milhões em 2038 – no ano passado, foram 84,3 milhões –, segundo cálculos da Airbus. Esse aumento será impulsionado pelo crescimento da classe média, que, na América Latina, deverá passar de 63% da população para 74% nas próximas duas décadas.

Para o presidente de aviação comercial da Airbus para América Latina e Caribe, Arturo Barreira, crises econômicas e eventuais retrocessos temporários no ritmo de crescimento da classe média não devem inviabilizar a expansão do mercado.

“O tráfego aéreo é resiliente. Globalmente, nos últimos 30 anos, houve crises, como o ataque às Torres Gêmeas, que pareciam ser o fim (do setor). Mas a tendência continuou de alta”, disse ao Estado.

Hoje, o Brasil tem uma média de 0,45 viagem aérea por habitante por ano – um pouco acima da média latino-americana, de 0,43. O estudo da fabricante de aeronaves indica que esse número chegará a um no Brasil em 2038. O Chile, que lidera a região com 0,89 viagem hoje, deverá alcançar 2,26 viagens daqui a 20 anos.

Com o aumento da demanda, o Rio de Janeiro, ao lado da mexicana Cancún, deverá se tornar uma “megacidade da aviação”, como a Airbus chama as cidades com mais de 10 mil passageiros por dia em voos de longa distância. 

Na América Latina, São Paulo, Buenos Aires, Santiago, Lima, Bogotá, Cidade do México e Cidade do Panamá já se encaixam nessa categoria. São Paulo é a única da região com mais de 20 mil passageiro nesses voos atualmente e deverá ter mais de 50 mil em 2038.

Para atender o crescimento do setor, a Airbus projeta que serão necessários 47,5 mil pilotos e 2,7 mil novos aviões – 1.160 para substituir aeronaves que já estão operando e 1.540 extras. Atualmente, 1.460 jatos estão em atividade na região.

A maior demanda na América Latina (89% do total) será por aviões de pequeno porte, que comportam até 210 passageiros – segmento em que a Embraer atua. As aeronaves de médio porte, com capacidade para até 300 passageiros, responderão por apenas 7% da demanda e as de grande por 4%. 

Fabricante brasileira

Para Barreira, a compra da Embraer pela americana Boeing e do programa C-Series (de jatos de 150 lugares), da Bombardier, pela Airbus não deverá alterar o mercado de aviação global nem dificultar a negociação de preços entre as fabricantes e as companhias aéreas. “O mercado aéreo já é muito competitivo e seguirá sendo. Brigamos por cada cliente”, disse. “O fato de a Boeing ter comprado a Embraer reforça a ideia de que era importante investirmos no C-Series”, acrescentou o executivo.

Sobre a dificuldade da Boeing para voltar a entregar aeronaves do modelo 737 Max – que teve voos suspensos após duas quedas em cinco meses –, Barreira afirmou que não há impacto relevante para a Airbus no curto prazo. A companhia não tem capacidade de absorver, nos próximos cinco anos, pedidos de empresas que desistirem de esperar pelos aviões da concorrente americana. 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Airbusaviação

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.