Reuters
Reuters

Aviões menores representarão 76% da demanda até 2037, diz Airbus

Fabricante francesa projeta também que a frota mundial de aeronaves deverá mais do que dobrar nos próximos 20 anos

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

06 Julho 2018 | 14h21

Com o crescimento do transporte aéreo ao redor do mundo, nos próximos 20 anos, a frota mundial de aeronaves deverá mais do que dobrar e as companhias aéreas precisarão de 37.390 novos aviões. Desse total, 28.550 aeronaves terão até 230 assentos, correspondendo a 76% da demanda e a 54% dos US$ 5,8 trilhões avaliados para os novos jatos, pelos preços de lista.

+ Concorrência maior no setor acelerou acordo entre Boeing e Embraer

As projeções são da francesa Airbus e fazem parte do relatório Global Market Forecast 2018-2037, divulgado nesta sexta-feira, 6, pela fabricante em Londres.

A Airbus atua no segmento de aeronaves até 230 assentos com os modelos da família A320neo (A319neo, A320neo e A321neo) e, no último domingo, 1º de julho, passou a incorporar em seu portfólio os jatos do programa CSeries, CS100 e CS300. Com isso, além de fornecer aviões de fuselagem estreita (narrow-body ou single aisle) de médio e longo curso e também aeronaves maiores, de fuselagem larga (wide-body), a Airbus começará a vender jatos regionais.

+ 'Chegamos a um formato que atende a todos os interesses', diz presidente da Embraer

Em termos de backlog (pedidos realizados, mas ainda não entregues), a Airbus estima que tenha 54% do total (considerando todos os tipos de aeronaves). Para o backlog de aeronaves até 230 assentos, o share da fabricante é o mesmo, de 54%.

+ Embraer e Boeing correm para apresentar proposta ao governo até o fim do ano

Das 37.390 novas aeronaves previstas pela companhia até 2017, 26.540 serão para crescimento de frota e outras 10.850, para renovação.

No relatório divulgado hoje, a empresa atualizou ainda suas projeções de entregas para 37.400 nos próximos 20 anos, ante 34.900 previstas no documento do ano passado.

Entre as quatro maiores aéreas brasileiras, a única que não opera aviões Airbus é a Gol, cuja frota foi inteiramente encomendada com a Boeing. Já na Azul, o A320neo se tornou a "menina dos olhos", sendo peça central do plano de renovação de frota da companhia, que busca maior eficiência nas operações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.