Brendan McDermid /Reuters
Brendan McDermid /Reuters

Avon negocia venda de uma fatia para private equity, diz jornal

Em maio deste ano, a empresa de cosméticos foi alvo de uma proposta falsa de compra que fez suas ações dispararem

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2015 | 02h05

A Avon está em negociações com empresas de private equity para receber um investimento que poderia ajudar a manter em pé a companhia de cosméticos norte-americana, segundo fontes informaram ao Wall Street Journal. A Avon está fazendo um processo de leilão para o que é conhecido como um investimento privado em capital público, ou Pipe (na sigla em inglês), com empresas como Cerberus Capital Management e Platinum Equity.

Propostas deverão ser apresentadas até a próxima semana, de acordo com as fontes. Algumas das pessoas ouvidas acrescentaram que o Pipe é apenas uma das opções que a Avon está considerando para se capitalizar. Não está claro o tamanho da participação que poderá ser vendida e não há garantias de que tal acordo vai mesmo se materializar.

Alarme falso. Em maio, as ações da empresa de vendas de cosméticos chegaram a se valorizar 20% em um único dia, para US$ 8, após a PTG Capital Partners entregar um formulário na Comissão de Valores Imobiliários americana (SEC, na sigla em inglês) afirmando que havia feito uma oferta de US$ 18,75 por ação para comprar a empresa.

Na ocasião, porém, a Avon, informou que nunca recebeu a oferta e que nem mesmo conseguiu confirmar a existência da PTG Capital. Naquele mês, quando a notícia veio à tona, o Wall Street Journal tentou entrar em contato com a PTG Capital ou verificar sua existência, sem sucesso. A empresa não está registrada na SEC. O endereço informado pela empresa abrigou anteriormente a Bolsa de Valores de Londres e é agora um edifício de escritórios.

No segundo trimestre, a receita da Avon caiu 17%, para US$ 1,8 bilhão. Na América do Norte, as vendas caíram 15% e na América Latina, houve queda de 19%. /Dow Jones Newswires

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo Avon aquisição venda

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.