Azevedo fará apelo ao G-20 pelo comércio

O novo diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), o brasileiro Roberto Azevedo, nem bem vai assumir seu cargo na entidade na próxima segunda-feira, 2 de setembro, e já embarca para a cúpula do G-20 na Rússia, onde vai fazer um apelo aos líderes globais: não abandonem o sistema multilateral.

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

30 de agosto de 2013 | 07h48

Azevedo foi eleito em maio com um amplo apoio de países emergentes e é o primeiro brasileiro a assumir o cargo. Mas terá um "batizado" dos mais complicados na cúpula, nos dias seguintes à sua posse. O brasileiro deverá se reunir com vários líderes e seu recado deve ser em forma de apelo pela preservação do sistema multilateral do comércio, hoje em crise aberta.

Ele pedirá que se dê tempo a um projeto mais amplo, pedido que também deve ser feito ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Deve alertar ainda para o impasse na Rodada Doha e pedir apoio para os trabalhos até a conferência ministerial no fim do ano, em Bali.

Diante de uma agenda carregada e com a Síria dominando o cenário internacional, o comércio deve receber pouca atenção dos líderes das maiores economias do mundo. Se Azevedo tem reuniões já marcadas com alguns dos chefes de Estado, com outros a conversa será mesmo nos corredores da cúpula.

Nas últimas semanas, o início das negociações para um acordo de livre comércio entre os Estados Unidos e a Europa passou a dominar as atenções das diplomacias de ambos os lados do Atlântico. O temor de países menores é de que o acordo entre a primeira e a segunda maior economia do mundo signifique a marginalização da OMC do cenário internacional. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
OMCRoberto Azevêdo@estadaoconteudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.