Azevêdo indica chinês para vice-diretor na OMC

O diretor eleito da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, entregou um dos postos-chave dentro da entidade para a China, garantindo pela primeira vez um cargo de alto escalão dentro da instituição para Pequim e assegurando a influência dos chineses no futuro do desenho das regras do comércio mundial. O brasileiro assume a direção da entidade no dia 1º de setembro.

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

18 de agosto de 2013 | 11h48

A concessão do cargo de vice-diretor da OMC é uma retribuição ao apoio dado pela China na eleição de Azevêdo. O escolhido é Yi Xiaozhun, embaixador da China na OMC desde 2011 e um dos mais altos diplomatas no governo chinês.

Questionado logo após sua eleição sobre o papel de Pequim na OMC, Azevêdo foi categórico: "A OMC era uma antes da entrada da China e é outra agora", disse. Pequim aderiu à entidade em 2001 e, hoje, é um dos membros mais ativos. Nesse período, se tornou o maior exportador do planeta e a segunda maior economia do mundo.

Não é segredo para ninguém que a China, desde que entrou na OMC, buscou uma posição de influência, depois de passar alguns anos "estudando" o local. O atual diretor, o francês Pascal Lamy, não aceitou abrir espaço na cúpula da entidade para um chinês.

O brasileiro também distribuirá cargos para Estados Unidos e Europa, regiões que não votaram integralmente nele. A África, de onde veio mais de um terço dos votos de Azevêdo, também ganhará um cargo de vice-diretor. O escolhido é o nigeriano Yonov Agah. A Nigéria havia prometido votar pelo brasileiro e levar votos africanos, caso seu candidato inicial não vingasse.

Se por um lado Azevêdo vai retribuir seus aliados, por outro, ele também atuará de forma pragmática. Os dois cargos restantes ficam com EUA e Alemanha. Assim, o governo americano manterá um dos cargos de vice-diretor, posto que lhe é cativo desde a criação da organização. Azevêdo terá um grande desafio: convencer a administração de Barack Obama a voltar a dar atenção à OMC.

A UE rachou na votação. Reino Unido e Holanda seriam dois países que não seriam atendidos. O escolhido é Karl-Ernst Brauner, da Alemanha, país que teria apoiado o Brasil. "Essas pessoas terão um papel vital em fazer avançar os objetivos da OMC", disse Azevêdo. Segundo ele, porém, a seleção dos quatro nomes foi baseada no compromisso desses diplomatas ao sistema multilateral do comércio e suas experiências. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.