Azul anuncia compra de mais 10 aviões regionais da ATR

Fabricante europeia, que também fornece aeronaves para a Trip, negocia com mais duas empresas no Brasil

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / PARIS

O construtor aeronáutico franco-italiano ATR anunciou ontem, durante o Salão de Bourget, na França, a venda de 10 aeronaves regionais para a companhia aérea brasileira Azul. A compra, avaliada em US$ 227 milhões, confirma 50% das opções de aquisição que já haviam sido seladas entre as duas empresas em 2010. As aeronaves, todas do modelo ATR 72-600, se somarão às 20 já adquiridas pela Azul quando do salão Farnborough Airshow, na Inglaterra.

A entrega das 30 aeronaves compradas está prevista para começar no mês de outubro. Até lá, a companhia brasileira vai continuar voando com aviões usados da marca, que fazem as rotas em direção ao interior de São Paulo e de Minas Gerais.

Os aviões da ATR, turboélices de médio porte, vêm ganhando mercado entre companhias aéreas que realizam rotas de curta e média duração. Em sua configuração básica, a aeronave dispõe de 68 a 74 lugares e tem alcance máximo - ou autonomia - de 1,85 mil quilômetros. Segundo a ATR, os modelos que chegarão ao País a partir de outubro são os últimos lançamentos da empresa, com cabine redesenhada, melhor performance dos motores e maior capacidade de transporte de carga útil.

Confiança. Em comunicado, David Neeleman, presidente do Conselho de Administração da Azul Linhas Aéreas, afirmou que a aquisição das aeronaves "reforça a confiança no produto, assim como os vínculos com a ATR".

Além da Azul, a Trip Linhas Aéreas também opera com o modelo no Brasil. Ao todo, 50 unidades dos aviões do construtor europeu estão em operação no País, além de outros 70 na América Latina. O continente é responsável por 20% do carnê de encomendas da empresa. Para a ATR, o negócio é uma oportunidade de aprofundar sua presença no Brasil e no continente.

"Temos outros dois clientes potenciais no Brasil", confidenciou ao Estado o diretor comercial do fabricante, Jacques Desbarats, com os quais negocia pacotes de no mínimo 10 aeronaves. "Com um cliente poderemos fechar acordo rapidamente, com outro é um negócio de longo prazo."

Para o presidente executivo da ATR, Filippo Bagnato, é possível dobrar em curto prazo o número total de aviões em operação no Brasil, país que classifica como "um dos mercados mais dinâmicos do mundo".

Embora importante, os negócios com a Azul e com companhias brasileiras foram apenas uma parte dos acordos anunciados ontem. A empresa confirmou a venda de um total de 78 aparelhos, além de outras 32 opções de compra, no curso de 2011. O valor total dos pedidos chega a US$ 2,4 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.